O que é ser feminina?

crédito da imagem

 

Fico me perguntando como as mulheres querem ser vistas hoje em dia. Quando digo as mulheres, quero dizer as mulheres perto de mim, que levam uma vida parecida com a minha, freqüentam lugares parecidos e ganham mais ou menos a mesma coisa. Esse mundo é tão grande e tão variado que não podemos discutir o papel da mulher no mundo, mas talvez no nosso bairro. Já pensou nas mulheres da China, da Etiópia, do Egito? Elas estão tão distantes de nós, geograficamente e emocionalmente!

 

No Egito, ainda é uma prática comum a circuncisão feminina (remover o clitóris). Avós e mães ajudam a segurar a menina, de seus 8 anos, geralmente em casa, no meio da noite. Podemos creditar à cultura, podemos chamar de violência… No Egito, e em outros países da África, eles chamam de ritual, um ritual necessário, pelo qual a maioria das mulheres passará.

“No Egito, as estimativas indicam que um entre cada quatro casos de gravidez termina em aborto ilegal, e o resultado é, a cada ano, uma série de complicações muito sérias, que afetam muito mais as mulheres das classes mais baixas. O aborto ilegal, no Egito, atualmente, é a maior causa de morte em gestantes”.

Trecho do livro A Face Oculta de Eva – As Mulheres do Mundo Árabe, de Nawal El Saadawi – Global Editora

 

Enquanto isso, nas paragens mais remotas da China, as mulheres mandam. Em Loshui, há uma comunidade matriarcal onde elas são as donas do dinheiro, das propriedades, dos filhos, de todos os sobrenomes e são quem mandam e desmandam o tempo todo.

“Os Mosuo não têm a menor intenção de ter na mesma pessoa afeto, família e lar. A família, para que perdure, nunca deve estar baseada em um casal. Entendem que isso torna o grupo altamente instável.

O sistema de visitas, como modalidade de vida sexual, mantém os integrantes de uma família consangüinea unidos e a salvo de coabitar com um estranho. Essa é uma das razões fundamentais pela qual a figura do pai é desconhecida. Ao ficar grávida, a mulher não pode definir com certeza com quem concebeu. Se soubesse, também poderia abster-se de contar ao filho, pois é tabu fazer referência ao aspecto sexual diante de familiares.

A proibição de qualquer menção à sexualidade diante de um parente, especialmente do sexo oposto, é uma das razões do sigilo. Um segredo por todos conhecido, como é, em geral, esse tipo de segredo”

Trecho do livro O Reino das Mulheres – O Último Matriarcado, de Ricardo Coler – Editora Planeta

 

Isso sem falar nas mulheres da Índia e seus percalços, nas Européias e seus percalços, nas mulheres dos lugares mais distantes de onde você está agora, e seus percalços…

 

Penso nisso porque acredito que ser feminina é mais do que usar um vestido de florzinhas e “tomar conta” da casa. Mesmo as mulheres que ficam cuidando da casa, trabalham muito e merecem ter o direito de se sentirem desejadas e bonitas. Ser feminina não significa ser “mulherzinha”, mas não tem problema nenhum em sentir-se carente e querer um colo de vez em quando.

Penso que passada a geração feminista dos anos 60, que brigava por direitos iguais, devemos ter em mente que temos que respeitar nossas diferenças, e não querer eliminá-las como se fossem um problema. Menstruação é problema? Carência é problema? Vontade de chorar é problema? Saber que pode comandar uma empresa ou um time de homens é ousadia? Claro que não!

Mais uma vez, o que vestimos manda uma mensagem para as pessoas. Vestidos evidenciando a cintura (não adesivos de lycra, por favor), sapatos de bico redondo, cabelos médios, meio cacheados, maquiagem suave, manda a seguinte mensagem: aproxime-se, sua opinião é importante e eu quero escutá-la. Isso falando num ambiente de trabalho. Terninho de ombros estruturados, sapatos tipo mocassim ou de bico e salto fino, cabelos presos e cores marcantes na maquiagem mandam outra mensagem: cheguei aqui porque sou competente, sei o que estou fazendo e não tenho o menor problema em mandar você ir passear.

Claro que estou colocando as coisas meio 8 ou 80, mas como você se relaciona com o mundo, com as pessoas e com o seu trabalho, é um reflexo de como você se relaciona com a sua imagem. A imagem que você projeta ao mundo. O sexo (homem – mulher) da fisiologia não tem nada a ver com o gênero, socialmente definido. O papel da mulher também não é biologicamente definido.

O que queremos para nós? Queremos um mundo cheiroso, bonito, agradável? Porque não começar com nosso corpo? Isso não é ser mulherzinha… isso é ser gente.

 

 

Anúncios

6 comentários a “O que é ser feminina?”

  1. Querida Renata,

    eu me faço essa pergunta todos os dias. Não é fácil ser feminina hoje em dia!!! Nós mulheres confundimos muito o conceito e, em consequência, os homens ficaram confusos. Que falta eu sinto da época em que um homem abria a porta e te dava passagem… as gentilezas se perderam por aí…. um beiijo grande

  2. Fá, amiga, realmente as gentilezas, como você disse, acabaram quase como sinônimos de fraqueza, segundo algumas mulheres. Já ouvi mulheres dizendo que, deixar um homem abrir a porta do carro, ou o pote de azeitona, é o mesmo que admitir incapacidade para tal. Eu discordo!! Um ato de consideração e gentileza é sempre bem vindo e demonstra atenção e cuidado, do meu ponto de vista. Querer carinho não significa ser inferior. Eu penso assim.
    Beijos!!

  3. é muito dificil ser feminina….
    eu tenho um estilo masculino, roupas masculinas e jeito masculino….
    mas gostaria muito de conseguir ser feminina e saber ser feminina, porque estou apaixonada por um homem mas dessa forma ele nem mim ver… o que faço?

    1. Eliane, acho que temos que procurar alguém que nos ame por quem somos.
      Se vc é assim e gosta do seu estilo, será que vale a pena mudar só para agradar alguém? Às vezes a gente se apaixona por uma pessoa que não sabemos se realmente existe. Idealizamos e achamos que nosso mundo será perfeito ao lado dela. E quando a realidade bate na porta, a gente se pergunta se valeu a pena tudo que deixamos para trás para estar ali.
      Então, minhas palavras para você são: não desista de quem você é só para chamar a atenção de alguém. Seja forte, segura e tenha a certeza que isso pode chamar a atenção de alguém que se aproxime de vc por gostar do seu jeito, exatamente como vc mostra ao mundo. E seja, sempre, muito feliz com suas escolhas.
      Boa sorte e se cuida!

  4. Oi adorei o texto, excelente apologia ao feminino. Realmente a imagem social conta muito quando se quer ser olhada pelos olhos masculinos. A mulher que viveu a emergência do feminismo pode ver que as roupas estilo Sculy (Arquivo X), chamava mais atenção pelas opiniões do que propriamente a silhueta. Foi a criação de uma nova forma de ser mulher, realmente, a mulher quebrou a banca e se impôs descobrindo suas várias formas de ser, porém, o que se vê muito hoje na “mulher faz tudo”, (dizendo que a mulher não precisa de homem para ser feliz) é em alguns aspectos o mesmo pre-conceito do homem machista, não precisamos de mulher ou homem para ser feliz, mas de pessoas humanas, porque sem relação autêntica não há realização pessoal. Tais mulheres não superaram o machismo, querem impor a opinião, assim como os homens impuseram, vivem uma vingança inconsciente e nunca encontram um parceiro a altura ja que vêem o mesmo homem pintado em todos. Creio que a mulher do século XXI precisará lidar com as multiplas escolhas que deve fazer no sentido de se encontrar e se realizar como pessoa, colocar a guerra dos sexos em questão, não se vestir para os homens (tanto para chamar a atenção sexual quanto para as opiniões, ambas as formas é uma ser-para-o-outro), mas de uma maneira que se sinta melhor.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s