Curso de Adesivos – Nike Pinheiros e SHN

Nos dias 12 e 13 passados, fiz um curso de como fazer seu próprio adesivo na loja da Nike Pinheiros, na Praça dos Omaguás. O curso foi dado pelo coletivo SHN, referência na arte urbana brasileira, presente em várias ruas de São Paulo e de outros centros urbanos.

Eu fui mais como curiosa, para perceber um pouco daquela cultura e aprender um pouco da técnica de silk-screen. O trabalho é super artesanal, braçal e exige tempo e espaço.

Logo no começo, percebi que estava entre pessoas que sabiam o que estavam fazendo. Logo que o pessoal explicou como seria e pediu pra gente desenhar, vi que estava cercada de gente talentosa. Mais que isso, aquele pessoal fazia aquilo com uma leveza que parecia brincadeira. Do meu lado, o André desenhou um macaco com cara de mau em poucos segundos. Na minha frente, a Camila Minhau desenhava um de seus famosos gatos. Aliás, já falei da Minhau aqui e tive o prazer de conhecê-la pessoalmente. Uma linda! Talentosa de tudo! Estava acompanhada do marido, Chivitz, grafiteiro dos bons também. Depois, passem lá no Flickr dela pra conhecerem melhor seu trabalho e seus gatinhos. Teve também quem levou seus desenhos já prontos ou esboçados, como o Tiago, que estava no meu grupo e fez uma coroa.

Só sei que quando vi todo aquele povo desenhando muuuito e fazendo coisas lindas, me senti como uma criança no pré-primário. E minha única reação diante daquilo tudo resultou no meu adesivo:

 

img_5988

 

Mesmo diante de tanta arte competente, não me senti um peixe fora d’água. A turma era bem legal, todo mundo se ajudava, espírito colaborativo total. Aprendi muito e, principalmente, conheci pessoas que estão tentando fazer a cidade ficar mais bonita. Como a Minhau disse “estamos lutando contra o cinza”. Às vezes, uma parede colorida faz toda a diferença numa comunidade carente. Saúde e educação, moradia decente e alimentação saudáveis são o básico para todos. Mas o ser humano não vive só do básico. Isso seria sobrevivência, não vivência. É necessário ter prazer, conseguir sorrir, olhar o mundo de uma forma contemplativa. E isso é impossível se seu estômago ronca e você não tem onde dormir. Mas talvez possa ser a inspiração para lutar por um mundo mais colorido, onde a beleza sirva de inspiração para se realizar como ser humano.

No final, todos trocaram adesivos e endereços eletrônicos e, tenho certeza, saíram enriquecidos com a experiência. O meu ficou assim:

 

img_6066

 

Para saber mais sobre a programação cultural da Nike, clique aqui. Para mais fotos, vá pro Flickr.

 

Anúncios

8 comentários a “Curso de Adesivos – Nike Pinheiros e SHN”

  1. Mas você não deixou nada a desejar para os talentosos de plantão, hein? Gostei muito do seu, criatividade é assim, não requer prática nem experiência! rs…

    Adorei, querida.

    B-joca.

  2. I’m back home. Passei a manhã no telhado do chalé com meu caçula ( 14 ) tentando tirar com pá e picareta, uma camada de um metro e meio de gelo e neve. Não conseguimos descer nem 1 m cúbico. Estámos com hóspedes nova yorkinos. Eles foram para Zurich ver outros amigos e nós decidimos voltar para casa. Me sinto melhor na frente do Lago Léman do que nos Alpes. Eu já tinha visto as fotos do atelier, lembra. Fiz muito silk screen em tecido, mas nunca em papel. Fiz também muito offset, nas gráficas do meu tio. Fiz de quase tudo e sempre fui muita arteira. O que mais me faz falta, onde vivo, é o espaço e o acesso a tudo isso, que aqui é considerado meio “marginal”. Daria tudo para participar de uma grafitagem. Há uns 18 anos atrás, lembro ter sido abordada pela polícia, em NY, porque estava passeando e filmando no Bronx. Era tudo tão pobre, mas tão colorido … nem me dei conta de que minha presença seria acolhida como uma provocação. Sempre saí fotografando grafittis, mosaicos, vitrais … tudo que é colorido. Adoro. Mas você ainda nem me disse: o que vai fazer com os seus adesivos? Os meus filhos recortam uma pilha do mesmo adesivo e cobrem as agendas escolares. Ficam sempre modelo único. Quanto à sua proposta de curso de customização, que eu marcaria presença se estivesse por aí, acho que você deveria abrir à outras propostas. Para ser mais clara; não só camisetas, mas todo tipo de peça vestimentária. Aqui, eu costumo quase que todos os sábados de manhã, dar uma voltinha em minhas brocantes ( brechós ) favoritas. Mas como tem que se chegar muito cedo ( tudo é muito barato e todos os dias chegam muitas coisas ), acordo com as galinhas, pego um trem e chego em Lausanne antes de abrirem todas as lojas. Dá tempo para olhar as vitrines mais luxuosas da cidade e constatar que quanto mais “customizada” (industrialmente) mais cara a roupa é. E quando logo após, eu chegando nas minhas brocantes deparo com muitas roupas parecidas que se fossem expostas nas mesmas vitrines seriam vendidas pelos olhos da cara, eu fico até rindo sozinha. Já comprei roupa só para recuperar os botões, ou só para usar o tecido e até mesmo para recuperar um fecho-éclair todo de strasses dos anos 80. Você deveria propor uma customização geral. A idéia da camiseta verde com chitão e a da camiseta roxa com aplique, por exemplo. Esses tipos de trabalho, na minha luxuosa boutique preferida ( http://www.bongenie-grieder.ch/#/home/ ), aparecem em cada coleção. Mas sempre em saias estampadas, calças jeans, blazers de tartan … é uma mega surperposição de apliques, babados, bordados, rendas, canutilhos, plissados, pregas, recortes, misturas de texturas e de estampas. Tudo muito bem feito e bem acabado, de um gosto sem igual. O efeito final é sempre um colírio para os olhos, mas o preço é uma marretada na cabeça e um trombo na carteira. Hahaha. Então Renata, ensina a Lily a costurar e bordar umas flores de chita na barra de um vestido de tartan. E com muita paciencia, quem sabe, ela ainda borda um “Lily” para autentificar a customização. Bisous, estou cansada do meu trabalho braçal matinal. Estou quase que dormindo com o laptop caindo da cama. Bonne nuit. Daniela ;oD Vai pular Carnaval? Eu nem lembro mais o que é isso. Aqui Carnaval é uma breguice.

    1. Oi, Dani!
      Estou começando com camisetas, mas certamente passarei para as outras peças!!
      O importante é começar com coisas simples, pra pegar o gosto. As camisetas são legais porque dá pra cortar e amarrar sem medo.
      Já com as outras peças é necessário ter uma pouco mais de técnica, como bordado e aplicação. Um passinho de cada vez e a gente chega longe! 😉
      Ainda não sei o que fazer com meus adesivos. Vou pensar numa coisa bem legal.
      Adorei a Bongenie Grieder! Vou me inspirar sempre por lá! Ares setentinhas sempre me agradam…
      Flores de chita num vestido de tartan parece uma ótima ideia… 😉
      Bons sonhos e até loguinho!

  3. Olá pessoal,
    Fico cada vez mais impressionado com tamanha beleza traduzida pelas mãos dos artistas brasileiros/as,
    Quero aproveitar para apresentar uma fascinante e belos trabalhos feito apartir de matérias orgânicas: brincos de penas, sementes das mais variadas especies.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s