Arquivo de etiquetas: entrevista

Entrevista para a Editora Salamandra no lançamento de “O maravilhoso mágico de Oz”

  1. Você tem mais de 30 títulos traduzidos, a maioria de literatura infantil e juvenil. Como nasceu seu interesse pela literatura e, em especial, pela tradução? Qual foi seu primeiro trabalho como tradutora?

Acho que literatura sempre foi minha paixão. Aprendi a amar os livros desde pequena, antes mesmo de começar a ler, pois cresci cercada por eles. Eu me lembro que meus pais liam histórias e poesias para mim e para minhas irmãs, e eu não via a hora de poder ler sozinha e descobrir tantas outras aventuras. A tradução entrou na minha vida por acaso, por meio da querida Lisbeth Bansi, que me chamou para traduzir a série Érica. Daquele trabalho em diante, nunca mais tive dúvidas de qual era a minha vocação. Não me imagino fazendo outra coisa a não ser traduzir e escrever literatura.

 

  1. Você já ganhou diversos prêmios da FNLIJ (Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil), como pela tradução da série “Érica”, publicada pela Editora Moderna. Como é ter seu trabalho reconhecido?

 

Reconhecimento é muito importante. Os prêmios da FNLIJ são muito significativos. É só olhar quem está na lista ao seu lado! Eu me sinto privilegiada por ter tido a oportunidade de traduzir livros tão especiais, que ofereceram a possibilidade de trabalhar com tanto prazer. É trabalho mas é minha vida, então coloco tudo ali, no papel. E ver que seu esforço foi reconhecido é maravilhoso.

 

  1. Qual foi seu desafio em traduzir um clássico da literatura, como “O maravilhoso mágico de Oz”, relançado pela Salamandra? É possível trazer novas nuances num título que já foi exaustivamente trabalhado e conhecido?

 

Acho que o maior desafio é, sem dúvida, fazer justiça à fama do livro. Sei que há muitas adaptações, então, como se destacar? Acho que aí entra muito a questão pessoal, de você colocar ali, no texto, sua experiência de leitor, que é maior até que a experiência como tradutor. Os livros que você leu ficam dentro de você e ecoam nas suas frases, nas suas escolhas. É inevitável. A partir desse ponto de vista, um texto será sempre único, pois não há duas pessoas que tenham tido a mesma experiência como leitores. Mesmo que tenham lido os mesmos livros, não viveram a mesma vida e, por isso, não fazem a mesma leitura. A minha tradução, ou melhor, o meu texto, é completamente novo nesse sentido: reproduzo ali a história de Baum, escolhendo palavras que fazem parte da minha história e da minha língua. A emoção tem que ser a mesma em português e em inglês, mas quem escolheu o ritmo da frase ou aquele momento mágico que o leitor tira os olhos do papel para imaginar a cena, fui eu. Idioma é ritmo e todo texto literário tem que ter sua poesia. E quem recria esse ritmo e essa poesia é o tradutor. Então, é possível sim, trazer novidades ao texto a qualquer texto.

 

  1. “Quando o sol encontra a lua”, publicado pela Moderna, foi sua primeira investida como escritora. De onde veio a inspiração para a construção desse enredo? Como foi ver um livro seu publicado?

 

“Quando o Sol encontra a Lua” ficou anos na minha mente. Literalmente. Foi sendo construído aos poucos, sendo inspirado pelas coisas que eu via, ouvia ou assistia. Um dia, eu me sentei na frente do computador e comecei a escrever. Um mês depois, ele estava ali, prontinho. Mas não posso dizer que levou um mês, levou todo esse tempo em que o enredo morou na minha cabeça. Muita coisa na minha vida serviu para a construção dos personagens: Tai Yang (o protagonista) é chinês, então aproveitei a proximidade que eu tenho com a cultura chinesa (meu marido é filho de chineses e eu estudo o idioma) e coloquei um pouco da riqueza cultural chinesa ali. Para quem se interessa é legal, para quem não sabe, é uma oportunidade de conhecer um pouquinho. Vê-lo publicado é uma emoção muito grande! Nas prateleiras da Bienal do Livro, ali ao lado do Pedro Bandeira e da Tatiana Belinky, que são dois escritores que marcaram muito a minha adolescência, parecia um sonho. E o livro foi cuidado com tanto carinho pela Maristela, pela Carol e pela Camila, que encontrou aquela foto perfeita para a capa. Realmente, é muito especial.

 

  1. Quais seus próximos projetos?

 No momento, estou traduzindo mais livros de uma série que eu adoro, que é o Monster High. E o segundo livro já está assando!

 

  1. Qual é o diferencial da parceria com a Moderna e com a Salamandra?

 

Além de a Moderna ser parte de um dos maiores grupos editoriais do mundo, e muito representativa no mercado brasileiro, é também uma família. Todas as vezes que eu me encontro com o pessoal da Moderna eu me sinto em casa. Profissionalismo com simpatia, coisa raríssima de se encontrar hoje em dia. Prezo muito minha relação com a Moderna e com a Salamandra e espero contribuir para a construção de um belo catálogo todos os anos, por muitos anos!

 

  1. Quem é a Renata Tufano na intimidade? Queremos saber um pouco sobre você, sua família, gostos, dia a dia, jeito de ser, modo como trabalha, onde mora, como encara a vida. Enfim, como você se traduz?

 

Adorei a pergunta, “como você se traduz”! Muito apropriada pois é isso que acontece: o que está dentro da gente tem que ser traduzido pro mundo entender. Muita gente conhece meu sobrenome e pergunta, “você é parente do professor Douglas Tufano?”, e o espanto quando eu respondo (com muito orgulho, por sinal), “é o meu pai!”. Graças a ele, e à minha mãe, que também é uma pessoa cultíssima e professora de francês, é que eu tive a oportunidade de conhecer e amar os livros, a literatura e as artes. Minha família é meu porto seguro, é tudo para mim. Meu marido, como eu citei, é filho de chineses e isso faz com que cada dia seja uma descoberta ao lado dele, tanto pelos curiosos aspectos culturais, quanto pelo fato de que qualquer casamento é mesmo uma descoberta, ou mais, por dia! Posso dizer que não vivo sem meu computador, pois passo praticamente o dia inteiro na frente dele, digitando, digitando, digitando! Trabalho em casa, um privilégio nesta cidade tão maluca quanto São Paulo, onde o trânsito é um caos. Faço tudo a pé na Vila Madalena, onde eu moro. Minha paixão, além da dança, são filmes antigos. Há tempos eu coleciono filmes raros, fotos e objetos relacionados ao tema. Uma das coisas que mais me acontece é falar numa conversa com amigos que assisti a um filme com fulano e perguntarem, “quem?”. Minhas obsessões do momento se chamam Robert Donat e Anton Walbrook. Aí você me pergunta, “Quem?” Aí eu respondo, “Que bom que existe Google, não é?” Minha sorte é ter amigos espalhados pelo mundo, que me enviam filmes, fotos e informações que eu nunca conseguiria por aqui.

Aliás, o que seria da vida sem amigos? Meus amigos são muito importantes para mim. Eles também são fonte de inspiração. E gatos, meus amigos peludinhos, são fonte de beleza, assim como observar o pôr do sol, ouvir uma música linda ou ler um poema. O mundo está cheio de beleza e inspiração. Tudo isso constrói sua identidade, sua vida e, no caso de tradutores e escritores, seu texto. É por isso que mais do que apenas saber um idioma, é preciso saber colocar todas aquelas emoções no papel. Isso parece clichê, mas não é. Sentir é fundamental. Porque tenha a certeza de que quando o leitor rir ou chorar naquele trecho é porque o escritor / tradutor também riu e chorou.

Anúncios

O Chique na Berlinda

Em entrevista à Folha de São Paulo, o filósofo australiano Peter Singer diz que o consumo de luxo aumenta a pobreza

SÉRGIO DÁVILA – DE WASHINGTON

Peter Singer acha que as pessoas que gastam [dinheiro] com vinhos caros e viagens luxuosas em vez de ajudar crianças pobres são, de certa maneira, responsáveis pela morte destas. É o que ele defende em seu livro mais recente, “The Life You Can Save” [A Vida Que Você Pode Salvar, Random House, 206 págs., US$ 22, R$ 47], um manifesto humanitário embasado nos preceitos da bioética. É a mais nova faceta do polêmico filósofo australiano de 62 anos, que ensina esse ramo da ética na Universidade Princeton, em Nova Jersey (EUA).

As outras são a do militante pelos direitos dos animais, posição defendida em outro livro, “Animal Liberation” [Libertação Animal, Random House, 1975], considerada a obra que iniciou a faceta radical desse movimento, e “Should the Baby Live? – The Problem of Handicapped Infants” (Deve o Bebê Viver? – O Problema das Crianças com Deficiências, Oxford Univesrity Press, 1985), em que defende a eutanásia.

Leia abaixo trechos da entrevista que concedeu à Folha por e-mail.

FOLHA – Segundo a Unicef, 27 mil crianças morrerão hoje. O que devemos fazer a respeito e não fazemos?
PETER SINGER – Essas mortes são evitáveis. Elas são decorrência de situações que podem ser mudadas -ausência de água limpa, falta de postos médicos locais, ausência de redes contra a malária e assim por diante. Acima de tudo, acontecem por conta da extrema pobreza, e isso também pode ser mudado. Nós deveríamos usar uma parte de nossa riqueza para ajudar a tirar as pessoas da armadilha da extrema pobreza. É errado gastarmos tanto com coisas supérfluas, enquanto outros não têm o suficiente para comer ou não têm condições de mandar suas crianças para a escola.

FOLHA – Ao mesmo tempo, 20 mil americanos perderão seus empregos hoje. O quão difícil é ser coerente em uma época de derretimento econômico?
SINGER – O problema não é coerência, mas fazer com que as pessoas pensem outras enquanto estão preocupadas com os próprios interesses. Somos egoístas por natureza, e não espero que as pessoas se tornem altruístas se estão preocupadas em pagar o aluguel.

FOLHA – O sr. dá um terço de seus rendimentos à rede de assistência global Oxfam. É suficiente? Recomenda que outros façam o mesmo?
SINGER – Eu não diria que é o suficiente; se eu fosse uma pessoa melhor, daria mais. Ao mesmo tempo, porém, não seria preciso que ninguém desse tanto quanto eu dou se apenas as pessoas mais ricas doassem algo de suas rendas. Então, em meu livro, recomendo uma porcentagem muito menor, começando por 1% da renda das pessoas. É possível ver a tabela completa no livro ou no site www.thelifeyoucansave.com, onde você pode fazer sua doação também.

FOLHA – O sr. escreveu: “Quando nós gastamos nossa sobra de dinheiro em shows, sapatos da moda, jantares sofisticados, vinhos caros ou em viagens de férias para lugares distantes, estamos fazendo algo errado”. Mas pode-se argumentar que, ao fazer isso, ajudamos a criar ou manter empregos, algo que hoje em dia é mais do que necessário. Como equilibrar esforço humanitário e capitalismo?
SINGER – A maior parte do que gastamos no que você menciona vai para pessoas que já são ricas. Se o que você compra ajuda realmente os mais pobres -talvez por meio de um esquema de comércio justo-, tudo bem, não me oponho. Mas é importante ajudar os pobres diretamente também, pois de outra maneira eles não podem se integrar à economia global. Os países mais pobres não têm a infraestrutura necessária para essa integração.

FOLHA – O sr. acha que uma das consequências da atual crise pode ser que as pessoas passem a ter uma vida mais frugal?
SINGER – Seria bom em certo sentido, especialmente do ponto de vista do ambiente, do aquecimento global.
Mas duvido que aconteça. A crise vai passar, e em alguns anos voltaremos aos nossos hábitos antigos.

Vamos pensar?