Arquivo da categoria: fotografia

“A moda não perde seus direitos”

“Paradoxalmente, na Grã-Bretanha e na França, a guerra não fez desaparecer a moda, pelo contrário, estimulou novas expressões. Paris, especialmente, a despeito da Ocupação, pôde permanecer na vanguarda da moda, a da alta-costura, mas também daquele de um cotidiano a inventar com o que se tinha à mão. Houve uma moda bicicleta e mesmo uma moda bicicleta-táxi, como houve uma moda para entrar na fila (moda de verão e moda de inverno, certamente). Houve uma moda “zazu”: “As mulheres escondem sob pelos de animais uma blusa de gola redonda e uma saia plissada muito curta; seus ombros exageradamente carregados constrastam com os dos homens que os usam pendentes; longos cabelos descem em volutas em seu pescoço; suas meias são rajadas, seus calçados são baixos e pesados, elas carregam um grande guarda-chuva que, faça o tempo que fizer, permanece obstinadamente fechado” (L’Illustration de 23 de março de 1943).

Logo, toda mulher é convidada a criar seu próprio modelo de roupa ou capa, pronta para retalhar velhos trajes de homem, afirmando assim sua originalidade e sua capacidade de invenção. Mas Le Figaro aconselha sabiamente suas leitoras: com a condição “de não ser demasiado marcadas pela moda do momento, de maneira a poder sobreviver a ele”.

Maio de 1940, em Londres. Falsas meias pintadas e falsas costuras desenhadas pelas elegantes que não podiam sair com as pernas desnudas.

Moda de 1939: máscara de gás e ampla capa do costureiro Robert Piguet

O quase desaparecimento do couro está na base dos calçados de sola de madeira, que logo se tornam verdadeira moda, com modelos cada vez mais audaciosos.

Texto e fotos retirados do livro “As Mulheres na Guerra – 1939-1945, de Claude Quétel, Editora Larousse.

Anúncios

Inspiração para superar a ausência

 Para 

Por muito tempo achei que a ausência é falta.

E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência, essa ausência assimilada,
ninguém a rouba mais de mim.

.

Carlos Drummond de Andrade

Inspiração para escolhas difíceis

 

Ou se tem chuva e não se tem sol

ou se tem sol e não se tem chuva!

Ou se calça a luva e não se põe o anel,

ou se põe o anel e não se calça a luva!

Quem sobe nos ares não fica no chão,

quem fica no chão não fica nos ares.

É uma grande pena que não se possa

estar ao mesmo tempo nos dois lugares!

Ou guardo o dinheiro e não compro o doce,

ou compro o doce e gasto o dinheiro.

Ou isso ou aquilo: ou isso ou aquilo…

e vivo escolhendo o dia inteiro!

Não sei se brinco, não sei se estudo,

se saio correndo ou fico tranqüilo.

Mas não consegui saber ainda

qual é melhor: se isso ou aquilo!

Cecília Meireles – Ou Isto ou Aquilo

Alfred Hitchcock

Hoje se completam 30 anos da morte do famoso diretor inglês, que mudou a história do suspense na tela.  Hitchcock não mudou apenas a maneira de fimar e de contar histórias, mas mexeu muito com a moda. Quem não se lembra das musas loiras do mestre do suspense? Dos conjuntinhos de Doris Day em O Homem que Sabia Demais aos vestidos glamurosos de Grace Kelly em Ladrão de Casaca? E seu ator preferido, Cary Grant, sempre elegantemente vestido e com o cabelo impecável, até quando era perseguido por um helicóptero, em North by Northwest?

 

 A legenda diz: “Cary Grant não está correndo para se exercitar!”

.

 

Tippi Hedren, a protagonista de Os Pássaros, acabou até virando Barbie!

.

O casal protagonista mais lindo de todos: Cary Grant e Ingrid Bergman em Interlúdio

.

É praticamente impossível escolher um favorito. Na fase inglesa, meu voto vai para Os 39 Degraus.

E depois disso, qualquer um com Cary Grant e Jimmy Stewart é pra rever indefinidamente.

.

 Pra ver todas as loiras de Hitchcock, dá uma olhada na página oficial dele neste site especializado em cinema.

E assista a reportagem especial do Jornal Hoje, que apresenta, entre muitas coisas, mais um dos grandes mistérios de Janela Indiscreta.

.

Tem sempre uma pegadinha nos filmes de Hitchcock: ele sempre aparecia de figurante numa cena qualquer. É um grande barato tentar encontrá-lo durante o filme. Alguns, até hoje, eu nunca consegui achar! E você? Qual é o seu filme preferido e em qual cena mais insólita viu o diretor? Eu já respondo a minha: repare no começo de Os Pássaros que Hitchcock sai de uma loja que vende pássaros como se tivesse acabado de comprar dois cachorros enormes!

 

Inspiração para aprender

 

Responder a perguntas não respondo.

Perguntas impossíveis não pergunto.
Só do que sei de mim aos outros conto:
de mim, atravessada pelo mundo.

Toda a minha experiência, o meu estudo,
sou eu mesma que, em solidão paciente,
recolho do que em mim observo e escuto
muda lição, que ninguém mais entende.

O que sou vale mais do que o meu canto.
Apenas em linguagem vou dizendo
caminhos invisíveis por onde ando.

Tudo é secreto e de remoto exemplo.
Todos ouvimos, longe, o apelo do Anjo.
E todos somos pura flor de vento.

 

Soneto Antigo – Cecília Meireles