Arquivo de etiquetas: coração

Antes de você me tocar,
eu era uma jaula
cheia de coisas selvagens.

Minha mãe costumava dizer,
“cuidado com os lobos,
eles conseguem sentir o cheiro
da cama das ovelhas,
a quilômetros de distância.”

Então, todas as noites,
eu dormia nua
e acordava cheirando à lua,
pois minha mãe nunca soube,
que não é o lobo
que dorme com a ovelha,
é a ovelha quem primeiro precisa aprender
a correr com os lobos.

O que eu estou tentando dizer é,
eu sempre me perguntei
como seria o inferno.
Eu apenas nunca imaginei
que eu iria amá-lo
tanto.

Before you touched me,
I was a cage full of
wild things.

My mother used to say,

‘be wary of wolves,
they can smell
the beds of lambs
from miles away.’

so every night
I would sleep naked
and wake up smelling of the moon,
for my mother never knew,
that it is not the wolf
who sleeps with the lamb,
it is the lamb who must first learn
how to run with the wolves.

What I’m trying to say is,
I always wondered
what hell would feel like.
I just never imagined
that I would love it
so goddamn much.

[Pavana]

arte: Painting by Lola Gil

É incrível que eu ainda não tenha abandonado todos os meus ideais: eles parecem tão absurdos e impossíveis de serem realizados. Mesmo assim, eu me apego a eles, porque, apesar de tudo, eu ainda acredito que as pessoas podem realmente ter um coração bom.

It’s really a wonder that I haven’t dropped all my ideals, because they seem so absurd and impossible to carry out. Yet I keep them, because in spite of everything I still believe that people are really good at heart.

[Anne Frank]

Eu pensei que podia te consertar. Mas fui eu que acabei quebrada.

I thought I could fix you
But I broke myself instead.

[Kirstin Walter]

“Veja bem”, disse ela, “seu primeiro amor não é a primeira  pessoa para quem você entrega seu coração. É a primeira pessoa que o despedaça.”

“You see,” she said, “your first love isn’t the first person you give your heart to. It’s the first one who breaks it.”

[Lang Leav]

Ilustração: American Red Cross water rescue manual, 1974