Arquivo de etiquetas: amor

Yelena Bryksenkova 09

A capacidade de ficar sozinho é a capacidade de amar. Pode parecer paradoxal, mas não é. É uma verdade existencial: apenas aquelas pessoas que são capazes de ficar sozinhas são capazes de amar, de compartilhar, de penetrar o âmago de outra pessoa — sem possuir o outro, sem se tornar dependente do outro, sem reduzir o outro a um objeto, e sem se tornar viciado no outro.

The capacity to be alone is the capacity to love. It may look paradoxical to you, but it is not. It is an existential truth: only those people who are capable of being alone are capable of love, of sharing, of going into the deepest core of the other person—without possessing the other, without becoming dependent on the other, without reducing the other to a thing, and without becoming addicted to the other.

[Osho (Bhagwan Shree Rajneesh)]

arte: Yelena Bryksenkova – Dancing Alone

Eu não estou procurando pela minha metade. E não quero ser a metade de ninguém. Nunca. Não porque eu não quero experimentar o amor e toda mágica e encantamento que ele oferece, mas porque eu já estou inteira.

I’m not looking for my other half, and I don’t want to be anyone else’s other half. Not ever. Not because I don’t want to experience love and all the magic and wonder that it has to offer, but because I am already whole.

[Claudine Chicheportiche]

Artwork by Joe Webb

Mural by Syrian artist Tammam Azzam photoshop art

Todo mundo diz que o amor dói, mas isso não é verdade. Solidão dói. Rejeição dói. Perder alguém dói. Inveja dói. Todos confundem essas coisas com amor, mas, na verdade, só o amor elimina toda a dor do mundo e faz com que uma pessoa se sinta maravilhosa novamente. O amor é a única coisa nesse mundo que não dói.

Everyone says love hurts, but that is not true. Loneliness hurts. Rejection hurts. Losing someone hurts. Envy hurts. Everyone gets these things confused with love, but in reality love is the only thing in this world that covers up all pain and makes someone feel wonderful again. Love is the only thing in this world that does not hurt.

Mehmed Meša Selimović

Photoshop art do artista sírio Tammam Azzam

René Magritte, Les Liaisons Dangereuses

Quando a confiança se baseia em beleza, dias em que não nos sentimos tão bem em nossos corpos afetarão profundamente nossa maneira de pensar, destruindo nossa auto-estima e segurança. Enfatizar a beleza como um requisito para o amor-próprio implica que a ausência de beleza significará ausência de amor. Devemos tentar lidar com esses dias de mal-estar de maneira menos destrutiva. As meninas devem saber que são engraçadas, inteligentes, cativantes, dignas de serem amadas, espertas e valiosas para então aprender que, além de tudo isso, podem também ser lindas.

Arte: René Magritte -Les Liaisons Dangereuses