Arquivo de etiquetas: cultura

Para Crianças de Todas as Idades

Um livro é um presente para sempre. Desde criança, meu presente preferido foram os livros. E agora, que trabalho com livros, continuo tendo mais livros do que tempo para lê-los. Enfim, entrar cedo no mundo dos livros é uma delícia e um privilégio: abre portas de universos maiores que a vida, nos apresenta coisas, pessoas, bichos que nunca conheceríamos e desperta o gosto e a aceitação pelo novo. Aqui estão sugestões de livros lindos pra todas as crianças, não importa a idade que tenham, todos da CosacNaify. A faixa etária recomendada é de 3 a 9 anos.

Vencedor dos principais prêmios internacionais de literatura infantil e de ilustração, Estava escuro e estranhamente calmo rendeu ao estreante Einar Turkowski um lugar de destaque entre os grandes autores contemporâneos. Disponível em alemão, francês e espanhol, a Cosac Naify traz agora aos leitores brasileiros esta intrigante obra.

Um homem misterioso desembarca em uma ilha e muda a pacata rotina dos que ali vivem. Habita uma casa abandonada onde, suspeitosamente, todas as manhãs surgem peixes pendurados de cabeça para baixo, peixes que os vizinhos também gostariam de ter. Desconfiados, e com uma pontinha de inveja, logo se ocupam em desvendar o segredo por trás daquela figura fascinante.

Fascinante também são as ilustrações de Turkowski. O traço fino dá conta de todos os detalhes do universo surrealista da história. Como nos bons contos de ficção científica, tudo é recriado: o binóculo se transforma em uma potente máquina para enxergar à distância, o sistema de roldanas é altamente complexo, os personagens usam um óculos estranho… O leitor pode passar horas apenas contemplando os detalhes do minucioso e preciso traço de turkowski, que não polpa na capacidade de ser inventivo.

As ilustrações convidam o leitor a juntar-se ao artista em seu mundo original, poético e mágico. seus hábeis desenhos em preto-e-branco irradiam humor, emoção, inteligência e… cor.

O texto não deixa por menos: a envolvente trama, carregada de suspense, transita entre a ciência imaginária e o nonsense, e ainda abre espaço para discutir um assunto bem real: o impacto de uma grande descoberta entre os habitantes de uma vila tranqüila. Mais do que isso, o livro trata da essência das relações humanas e da predisposição em julgar o incomum.

.

É difícil imaginar o guarda-roupa de uma mulher sem um pretinho básico, um cardigã (famoso casaco aberto na frente) e outras peças práticas e usuais. Mas nem sempre foi assim. Na época de Coco Chanel, primeira metade do século XX, para uma mulher estar na moda precisava de luxo, pompa e espartilhos. Sorte nossa que chanel resolveu ser diferente.

Diferente como Chanel conta a história de uma mulher a frente de seu tempo. Escrito pela norte-americana Elizabeth Matthews, foi enriquecido pela tradução de Clô Orozco. Chega às livrarias no momento em que a estilista ganha as telas do cinema europeu, com o filme Coco avant Chanel (Coco antes de Chanel), dirigido pela francesa Anne Fontaine e com a atriz Audrey Tatou no papel principal.

Nesta biografia ilustrada, acompanhamos a trajetória de uma das maiores figuras do século XX, da infância pobre no orfanato – quando fazia roupinhas para bonecas com retalhos – ao emprego em uma alfaiataria e a abertura de sua primeira loja, financiada por um jovem aristocrata apaixonado. Perspicaz, aproveitou o momento da primeira guerra, quando, na ausência dos maridos, muitas mulheres tiveram que trabalhar, para disseminar peças modernas e confortáveis e, se o colapso da indústria têxtil foi responsável pelo fechamento de diversas lojas em paris, para Chanel representou a oportunidade de adquirir grandes quantidades de tecido a baixo custo. Reconhecida mundialmente, ganhou até um perfume em sua homenagem, o Chanel no 5, na época o frasco mais caro que se podia comprar.

Transgressora, Chanel causou polêmica, foi criticada e contestada por Paul Poiret, o grande nome da moda francesa na Belle Époque, mas elogiada e aclamada por Pablo Picasso, artista ousado como ela. No auge do sucesso, vestiu grandes estrelas, como Katharine Hepburn, Grace Kelly, Elizabeth Taylor e Gloria Swanson.

Para criar as graciosas ilustrações, Matthews utilizou caneta e aquarelas. O resultado foi uma personagem quase caricatural, de silhueta esbelta e o inseparável colar de pérolas com a tesoura pendurada no pescoço, “sempre pronta para cortar qualquer detalhe fora de lugar”.

Ao final, o leitor encontra uma cronologia com os principais episódios da vida de Chanel, uma bibliografia básica, inclusive com livros traduzidos para o português, foto da estilista e desenhos do poeta Jean Cocteau e do caricaturista Sem.

Um livro cheio de estilo, para não sair de moda, como Chanel.

.

Balanço é um poema na mais delicada linguagem oriental. No parque de uma grande cidade, brincando em um balanço, um garoto observa o anoitecer, e declama uma poesia urbana sobre a noite que se debruça sobre os prédios. “Como um pêndulo azul azul”, acompanhamos o assobio da brisa, o mergulho nas nuvens, a proximidade da escuridão, o perfume do vento, as pegadas deixadas no céu. De leitura vertical, o recurso gráfico foi cuidadosamente pensado para que o movimento das páginas pudesse se confundir ao do balanço, provocando no leitor a sensação de mover-se junto com o garoto no tempo e no espaço. Balanço proporciona uma experiência sensorial da passagem do tempo, do fim da tarde ao início da noite, quando as primeiras luzes da rua se acendem e surgem algumas estrelas solitárias. Guiados por esta gradação, os tons de azul se acentuam em direção ao anoitecer. As ilustrações – de perspectiva aérea e traços leves – se alternam em diferentes ângulos, ganhando ritmo. Um poema lírico vestido com a mais fina estampa.

.

Para dançar balé não basta saber os movimentos de cor e salteado. É preciso se apaixonar pela história, e vivê-la na ponta dos pés. A crítica e bailarina Inês Bogéa reconta cinco das principais coreografias do repertório de todas as companhias de dança clássica: A Menina Mal Olhada, Giselle, Coppélia, O Lago dos Cisnes e Petrouchka. O livro traz um palco de palavras, em cativantes narrativas. Notas laterais recuperam a origem dessas histórias – curiosidades sobre as primeiras apresentações nas cortes, os músicos que se debruçaram para criar as melodias e artistas que revolucionaram a dança, no Brasil e no exterior. As mais de setenta imagens de grandes montagens também narram, de forma visual, a trajetória desta arte. No apêndice, informações precisas sobre a evolução da dança e de elementos como o tutu e a sapatilha, além de mini-biografias de dançarinos importantes. Para ficar na ponta da língua de todos aqueles que apreciam um bom espetáculo.

.

A história de um nariz com problemas só poderia ser contada de uma maneira: “entupido”. Esta é a grande sacada de Olivier Douzou em O Dariz. Quando se está entupido, não há outra coisa a fazer a não ser assoar. Assim começa a jornada do nariz protagonista à procura do grande lenço branco.

Inspirado no famoso conto homônimo do escritor russo Nikolai Gógol, também publicado pela CosacNaify – no qual o nariz de um assessor colegiado abandona seu posto e sai pela cidade de São Petersburgo passando-se por um conselheiro de estado – , o nariz de Douzou vive os momentos que antecedem esta clássica narrativa.

Como se a situação já não fosse suficientemente absurda, juntam-se ao nariz de homem um botão (que pensa ser nariz), uma tromba de elefante que bebeu muita água, um nariz de palhaço que não consegue mais contar piadas, um nariz de porco entupido de lama, um bico de pato e um focinho de cachorro, que desconhecia a causa do entupimento.

O humor, sempre presente nos textos inteligentes de Douzou, é o ponto alto deste O Dariz: um dos grandes méritos do livro está na utilização de desvios de grafia para simular a pronúncia típica de alguém resfriado. As ilustrações, marcadas pela simplicidade dos traços, são engraçadas como o texto: o nariz de homem é retratado com um chapeuzinho na cabeça enquanto o binóguio carrega um suporte de marionete.

.

a menina encontra o mar,

e com ele se espanta.

põe-se a gritar com as ondas,

o mar furioso se levanta.

entre andorinhas e água salgada

ela ensaia a sua dança.

o mar, com sua vida de mar,

vai e vem e não se cansa.

a onda chicoteia no ar,

deixa estrelas de lembrança.

nasce uma grande amizade

entre a onda e a criança.

Sem palavras. Assim é contada a história em onda, livro-imagem da jovem coreana Suzy Lee. Premiadíssimo, campeão de vendas e traduzido para diversos idiomas, universal como o mar, as imagens relatam o primeiro encontro da menina com o oceano. Ela corre para a beirada da praia. logo, algumas gaivotas se aproximam e a observam, como fiéis escudeiras. No início, ele chega de mansinho. Temendo o desconhecido, a menina recua. Depois, põe-se a provocá-lo. E então, a menina e a onda dividem os sustos e a admiração deste encontro. Dividem, também, o livro horizontal. Até que em um momento, essa fronteira se dilui… e o mar deixa um lindo presente para ela.

Com poucos traços a carvão, Lee ilustrou em azul, preto e branco o ruído das águas, o bater de asas das gaivotas, o vento que balança o vestido da criança e a conversa silenciosa que se estabelece ao longo da narrativa.

História em Flashes e YSL

Eu adoro fotografia. Já fotografei muito com máquinas que usavam filmes e exigiam que você estudasse matemática para calcular o tempo do flash. Por isso, quando surge uma exposição, sempre vou dar uma olhada. Imprensa, então, é paixão! Olha essa reportagem que saiu na Veja São Paulo…

 

O ex-ministro José Dirceu quando era líder estudantil, Ronaldo Fenômeno magro e astro do futebol espanhol, Rita Lee com cara de menina. A mostra Fotografia em Revista, na Faap, apresenta 600 imagens e personagens que ilustraram as publicações da Editora Abril nas últimas quatro décadas

Por Alessandro Duarte

 

exposicao1

A foto acima, de Jorge Butsuem, publicada na revista REALIDADE de agosto de 1968, mostra a ocupação da Faculdade de Filosofia da Universidade de São Paulo por estudantes. Nela, veem-se vários símbolos do passado: a máquina de escrever, a colaboração pedida em cruzeiro novo (moeda que circulou no país entre fevereiro de 1967 e maio de 1970) e o acento circunflexo em burguêsa, que viria a cair na reforma ortográfica de 1971. Aliás, a própria palavra virou relíquia. José Dirceu, então presidente da União Estadual dos Estudantes (UEE), tinha basta cabeleira e a mesma tendência a querer controlar tudo, inclusive a imprensa.

 

exposicao2

Na última cena da peça M. Butterfly, de David Henry Hwang, o ator Raul Cortez (1932-2006) espalhava no rosto uma máscara branca e fazia olhar de teatro kabuki. Esse momento foi retratado por Nana Moraes num perfil para a ELLE, em 1990. Mas, segundo conta, a expressão sisuda não é por causa do drama vivido por seu personagem, um diplomata francês que se apaixona por uma cantora da Ópera de Pequim sem saber que se trata de um homem. “Raul estava com muita dor nas costas”, lembra Nana. “Meu pai sempre disse que as melhores fotos são aquelas que doem mais.”

 

exposicao3

Quando a PLACAR publicou a reportagem “Ronaldinho na cabeça”, em dezembro de 1996, o craque brilhava na equipe do Barcelona, da Espanha. A foto de Pisco Del Gaiso mostrava o corte rente copiado por uma multidão de torcedores, brasileiros e espanhóis. O Fenômeno ainda não havia se submetido às cirurgias no joelho que fizeram um sem-número de técnicos, comentaristas esportivos e curiosos em geral anunciar o fim de sua carreira.

 

exposicao4

Pouco antes de estrear a terceira parte de Os Sertões, de Euclides da Cunha, em 2005, o diretor José Celso Martinez Corrêa posou para a BRAVO! como criador e criatura. “Ele havia deixado crescer a barba e o cabelo para as primeiras partes do espetáculo”, relembra o fotógrafo Nino Andrés. “Mas cansou de ser chamado de Papai Noel nas ruas e optou pela peruca e barba postiça.”

 

exposicao5

Em meados da década de 80, Osmar Santos tinha um dos rostos – e uma das vozes – mais conhecidos do país. Além de narrar jogos de futebol e apresentar programas esportivos, o autor de bordões como “ripa na chulipa” e “pimba na gorduchinha” foi o locutor da campanha das diretas já, em favor do voto popular para presidente da República. Sérgio Berezovsky, então editor de fotografia da PLACAR, diz que tentou fugir da imagem convencional para essa reportagem de 1985: “Propus uma brincadeira e ele topou na hora”. Nove anos depois, o apresentador sofreria um devastador acidente de automóvel, que paralisou o lado direito do seu corpo e limitou sua fala.

 

exposicao6

Republicada pela BIZZ em 2007, esta foto de J. Ferreira da Silva é um registro da fase áurea dos Mutantes, no fim dos anos 60. Formada por uma encantadoramente sardenta Rita Lee e pelos irmãos Arnaldo (à esq.) e Sérgio Dias Baptista, a banda era o retrato da época – será por isso que parecia ter vindo de outro planeta? O trio manteve-se unido até 1972, quando Rita (então casada com Arnaldo) foi expulsa do grupo.

 

CLIQUE AQUI PARA VER MAIS IMAGENS

 

APROVEITE O FINAL DE SEMANA E VAI LÁ: Fotografia em Revista. Museu de Arte Brasileira. Rua Alagoas, 903, Higienópolis, 3662-7198. Terça a sexta, 10h às 20h; sábado, domingo e feriados, 13h às 17h. Grátis. Até 12 de julho. www.faap.com.br.

 

E pra quem tá no Rio, não perca YSL no Museu! Para manter viva a memória do estilista, o CCBB, no Rio de Janeiro, inaugura a exposição “Yves Saint Laurent – Viagens Extraordinárias”. A mostra integra as comemorações do Ano da França no Brasil e tem curadoria da Fundação Pierre Bergé – Yves Saint Laurent (com sede em Paris, no mesmo local onde funcionou por 40 anos a maison YSL).

A mostra reunirá cinquenta figurinos completos de coleções inspiradas na África, Ásia, Espanha, Marrocos, Rússia e Índia, em manequins projetados pelo próprio estilista, croquis originais e dois vídeos, ambos de 2002 – uma entrevista realizada e dirigida por David Teboul, e o registro de seu último e monumental desfile, realizado no Centro Pompidou. Todas as peças pertencem ao acervo da Fundação Pierre Bergé – Yves Saint Laurent. Leia a matéria completa sobre o estilista.

 

33627

Para ver mais fotos, clique aqui!

 

Exposição Yves Saint Laurent – Voyages Extraordinaires – De 26 de maio a 19 de julho de 2009
2º andar e térreo do CCBB – Mais informações: No site do CCBB

CCBB – Rua Primeiro de Março, 66, Centro do Rio de Janeiro.

Telefone: (21) 3808.2020.