Arquivo de etiquetas: roupas

Você é o que você compra

 

 

Dia desses vi um documentário que me fez pensar bastante. Chama-se Procura-se e fala do comércio e das confecções do bairro do Bom Retiro, em São Paulo.

Primeira coisa que me chamou a atenção foi a pergunta que fizeram e que ficou no ar para ser respondida durante o filme: por que a roupa é mais barata? Se você respondeu que porque é atacado ou porque há incentivos, está só meio certo. A verdade é que muitas peças são feitas por pessoas em péssimas condições de trabalho, que aceitam receber qualquer coisa pelo que fazem, e por uma cadeia de eventos criminosa. Isso inclui imigrantes bolivianos que costuram uma calça por 75 centavos, contrabando de mercadoria vinda da China e até mortes pelo caminho.

No ano de 2008, a China declarou que exportou 12 mil toneladas de produtos para o Brasil. Mas sabe quantas entraram legalmente? Apenas 3 mil. O resto entrou sem pagar imposto, sem gerar empregos, às custas da saúde ou da vida de alguém. É verdade que até podemos apontar o dedo e dizer que o governo rouba e quem sonega impostos está certo. Mas isso seria apenas justificar um erro pelo outro.

Não é assim que tem que ser. Quando você se deparar com um produto falsificado, barato demais, vendido em circunstâncias suspeitas, pare pra pensar. Comprar esse produto alimenta uma rede de pessoas criminosas e endossa seu apoio à elas. Você pode se perguntar: “mas se só eu parar de comprar, que diferença vai fazer?”. Em termos imediatos e absolutos, nenhuma. Mas se cada pessoa pensasse assim na hora de justificar um roubo, um assassinato, uma única injustiça, poderíamos perder as esperanças de vez, não é?

Então, não se trata de mudar o sistema, o que requer políticas de incentivo às empresas e apoio aos trabalhadores, mas de não apoiá-lo. Se você vê a mesma jaqueta, que naquela loja custa R$120, por R$30 em outra, acredite, não é milagre. Não pense “é o meu bolso, sou eu quem vai sair ganhando, então dane-se! Vou pagar menos!”. Pare, pense e, às vezes, não compre. Provavelmente, você não precisa mesmo daquela peça.

E com certeza você terá mais tempo que se interessar pelo comércio justo, que gera empregos e renda, incentivos, consumo consciente e, no fim das contas, um país melhor. Parece pouco, quase nada, uma atitude simples de não comprar contrabando ou uma calça/blusa/qualquer coisa que tenha sido costurada por um boliviano faminto, num quarto escuro e inadequado para trabalhar. Mas vai fazer diferença pra você e pro futuro.

 

Digno de nota: a C&A e a Renner têm um programa de incentivo à cooperativas e pequenas empresas prestadoras de serviço. Isso inclui contratar apenas empresas que pagam os direitos de seus funcionários e os mantém em condições ideais de trabalho. Não é um exemplo a ser seguido?

 

História em Flashes e YSL

Eu adoro fotografia. Já fotografei muito com máquinas que usavam filmes e exigiam que você estudasse matemática para calcular o tempo do flash. Por isso, quando surge uma exposição, sempre vou dar uma olhada. Imprensa, então, é paixão! Olha essa reportagem que saiu na Veja São Paulo…

 

O ex-ministro José Dirceu quando era líder estudantil, Ronaldo Fenômeno magro e astro do futebol espanhol, Rita Lee com cara de menina. A mostra Fotografia em Revista, na Faap, apresenta 600 imagens e personagens que ilustraram as publicações da Editora Abril nas últimas quatro décadas

Por Alessandro Duarte

 

exposicao1

A foto acima, de Jorge Butsuem, publicada na revista REALIDADE de agosto de 1968, mostra a ocupação da Faculdade de Filosofia da Universidade de São Paulo por estudantes. Nela, veem-se vários símbolos do passado: a máquina de escrever, a colaboração pedida em cruzeiro novo (moeda que circulou no país entre fevereiro de 1967 e maio de 1970) e o acento circunflexo em burguêsa, que viria a cair na reforma ortográfica de 1971. Aliás, a própria palavra virou relíquia. José Dirceu, então presidente da União Estadual dos Estudantes (UEE), tinha basta cabeleira e a mesma tendência a querer controlar tudo, inclusive a imprensa.

 

exposicao2

Na última cena da peça M. Butterfly, de David Henry Hwang, o ator Raul Cortez (1932-2006) espalhava no rosto uma máscara branca e fazia olhar de teatro kabuki. Esse momento foi retratado por Nana Moraes num perfil para a ELLE, em 1990. Mas, segundo conta, a expressão sisuda não é por causa do drama vivido por seu personagem, um diplomata francês que se apaixona por uma cantora da Ópera de Pequim sem saber que se trata de um homem. “Raul estava com muita dor nas costas”, lembra Nana. “Meu pai sempre disse que as melhores fotos são aquelas que doem mais.”

 

exposicao3

Quando a PLACAR publicou a reportagem “Ronaldinho na cabeça”, em dezembro de 1996, o craque brilhava na equipe do Barcelona, da Espanha. A foto de Pisco Del Gaiso mostrava o corte rente copiado por uma multidão de torcedores, brasileiros e espanhóis. O Fenômeno ainda não havia se submetido às cirurgias no joelho que fizeram um sem-número de técnicos, comentaristas esportivos e curiosos em geral anunciar o fim de sua carreira.

 

exposicao4

Pouco antes de estrear a terceira parte de Os Sertões, de Euclides da Cunha, em 2005, o diretor José Celso Martinez Corrêa posou para a BRAVO! como criador e criatura. “Ele havia deixado crescer a barba e o cabelo para as primeiras partes do espetáculo”, relembra o fotógrafo Nino Andrés. “Mas cansou de ser chamado de Papai Noel nas ruas e optou pela peruca e barba postiça.”

 

exposicao5

Em meados da década de 80, Osmar Santos tinha um dos rostos – e uma das vozes – mais conhecidos do país. Além de narrar jogos de futebol e apresentar programas esportivos, o autor de bordões como “ripa na chulipa” e “pimba na gorduchinha” foi o locutor da campanha das diretas já, em favor do voto popular para presidente da República. Sérgio Berezovsky, então editor de fotografia da PLACAR, diz que tentou fugir da imagem convencional para essa reportagem de 1985: “Propus uma brincadeira e ele topou na hora”. Nove anos depois, o apresentador sofreria um devastador acidente de automóvel, que paralisou o lado direito do seu corpo e limitou sua fala.

 

exposicao6

Republicada pela BIZZ em 2007, esta foto de J. Ferreira da Silva é um registro da fase áurea dos Mutantes, no fim dos anos 60. Formada por uma encantadoramente sardenta Rita Lee e pelos irmãos Arnaldo (à esq.) e Sérgio Dias Baptista, a banda era o retrato da época – será por isso que parecia ter vindo de outro planeta? O trio manteve-se unido até 1972, quando Rita (então casada com Arnaldo) foi expulsa do grupo.

 

CLIQUE AQUI PARA VER MAIS IMAGENS

 

APROVEITE O FINAL DE SEMANA E VAI LÁ: Fotografia em Revista. Museu de Arte Brasileira. Rua Alagoas, 903, Higienópolis, 3662-7198. Terça a sexta, 10h às 20h; sábado, domingo e feriados, 13h às 17h. Grátis. Até 12 de julho. www.faap.com.br.

 

E pra quem tá no Rio, não perca YSL no Museu! Para manter viva a memória do estilista, o CCBB, no Rio de Janeiro, inaugura a exposição “Yves Saint Laurent – Viagens Extraordinárias”. A mostra integra as comemorações do Ano da França no Brasil e tem curadoria da Fundação Pierre Bergé – Yves Saint Laurent (com sede em Paris, no mesmo local onde funcionou por 40 anos a maison YSL).

A mostra reunirá cinquenta figurinos completos de coleções inspiradas na África, Ásia, Espanha, Marrocos, Rússia e Índia, em manequins projetados pelo próprio estilista, croquis originais e dois vídeos, ambos de 2002 – uma entrevista realizada e dirigida por David Teboul, e o registro de seu último e monumental desfile, realizado no Centro Pompidou. Todas as peças pertencem ao acervo da Fundação Pierre Bergé – Yves Saint Laurent. Leia a matéria completa sobre o estilista.

 

33627

Para ver mais fotos, clique aqui!

 

Exposição Yves Saint Laurent – Voyages Extraordinaires – De 26 de maio a 19 de julho de 2009
2º andar e térreo do CCBB – Mais informações: No site do CCBB

CCBB – Rua Primeiro de Março, 66, Centro do Rio de Janeiro.

Telefone: (21) 3808.2020.

Lavou, Tá Novo

O maravilhoso mundo dos brechós

“Sempre fui muito vaidosa, desde mocinha, e foi uma forma fácil de conseguir tudo o que eu queria por um preço bom”. É com essa simplicidade que a adorável Magaly Camargo explica a origem do seu brechó Passado Presente que, aos 30 anos de idade, é um dos mais antigos da cidade de São Paulo.

A julgar pela quantidade de peças amontoadas nas araras e prateleiras da loja, dá para ver que dona Magaly leva a sério essa história de ter “tudo o que eu queria”. Casacos, corseletes, chapéus, bolsas, bijuterias, jogos de chá, castanholas, quadros antigos: no Passado Presente há de tudo um pouco (de tudo um muito, na verdade; é tanta coisa que fica difícil decidir para onde olhar primeiro).

 

No começo você pode ficar confuso, mas mesmo quem nunca foi a um brechó pode se divertir e encontrar peças bacanas. Vide o caso de Márcia Keller, marinheira de primeira viagem com quem topamos no dia da reportagem. “É a primeira vez que venho a um brechó; tem muita coisa linda aqui”, ela comentou, enquanto experimentava uma boina da década de 1930.

Hoje em dia, não é difícil encontrar brechós modernosos, “de luxo”, que só vendem roupas e acessórios de grifes famosas e de coleções recentes. O Passado Presente da dona Magaly faz parte do grupo de brechós tradicionais, que têm de tudo e trabalham com peças vintage (originais das décadas de 1930, 40, 50 e 60). Seja qual for o seu estilo – e orçamento -, confira as dicas para aproveitar ao máximo o maravilhoso mundo dos brechós:

 

– O legal desses lugares é ver, remexer, vasculhar; deixe para ir quando você estiver com tempo livre

– Antes de comprar, experimente a peça e confira se ela está em bom estado. Brechós geralmente não aceitam devolução
– Está difícil encontrar roupas legais? Invista nos acessórios! Óculos escuros, chapéus, boinas, gravatas e bijuterias vintage chamam a atenção e garantem um look bacana que não custa os olhos da cara
– O esquema é “gostou-comprou”. Cada peça é única, e se você deixar para comprar uma outra vez, ela pode não estar mais lá

 

SERVIÇO

Passado Presente
Rua Augusta, 2690, lojas 17 e 21
(11) 3081-6253

Quer mais opções de brechós em São Paulo? Confira o guia e boas compras!

Minha Avó Tinha
Especialidade:
Roupas vintage, até os anos 80
Aluguel ou venda: Os dois
Acervo: Mais de 10 mil peças
Preço: Varia muito
Provador: Sim
Endereço: Rua Dr. Franco da Rocha, 74. (11) 3865-1759. Seg. das 12h às 19h30; ter. a sex. das 10h às 19h30; sáb. das 10h às 17h. Filial na Rua Itapicuru, 766

Spazio 1717
Especialidade:
Roupas de época, da década de 10 à de 80
Aluguel ou venda: Grande parte do acervo é só para locação, mas também trabalha com vendas
Acervo: “Definitivamente mais de 3 mil peças”
Preço: Locação de R$ 36 a R$ 150; venda a partir de R$ 90
Provador: Sim
Endereço: Rua Rodésia, 76, Vila Madalena, São Paulo. (11) 3815-8480. De seg. a sáb., das 10h às 19h

Juisi by Licquor
Especialidade:
Roupas vintage – até os anos 90
Aluguel ou venda: Os dois
Acervo: Cerca de 2,5 mil peças
Preço: De R$ 10 (acessórios) a R$ 2,5 mil
Provador: Sim
Endereço: Al. Tietê, 43, loja 08. (11) 3063-5766, São Paulo. Seg. a sáb. das 11h às 19h.

Capricho à toa
Especialidade:
Roupas e acessórios de grifes de luxo, nacionais e internacionais, tudo de coleções recentes. Também tem cama, mesa e banho e eletrônicos
Aluguel ou venda: Só venda
Acervo: Cerca de 55 mil
Preço: A partir de R$ 6 (uma bermuda)
Provador: Sim
Endereço: Rua Heitor Penteado, 1.096, casa 8. (11) 2137-5926. De seg. a sáb. das 9h30 às 18h30

Vó Judith
Especialidade:
Moda feminina
Aluguel ou venda: Só venda
Acervo: Não soube estimar
Preço: A partir de R$ 10
Provador: Sim
Endereço: Rua do Carmo, 122. (11) 3105-4753. De seg. a sex., das 9h às 18h30

Camarim
Especialidade:
De tudo um pouco roupas, sapatos, acessórios, cama, mesa e banho
Aluguel ou venda: Os dois
Acervo: Não soube estimar
Preço: Varia muito
Provador: Sim
Endereço: Rua Antonio de Macedo Soares, 1.554. (11) 5543-5304. De seg. a sexta das 10h às 20h; sáb. das 9h às 19h
(Vânia)

Trash Chic
Especialidade:
Roupas e acessórios de grifes internacionais de luxo (Armani, Balenciaga, Chanel, Dior, etc)
Aluguel ou venda: Só venda
Acervo: Cerca de 1,5 mil peças
Preço: De R$ 49 a R$ 2,5 mil
Provador: Sim
Endereço: Rua Capitão Prudente, 223. (11) 3815-3202. De seg. a sex. das 10h às 18h; sáb. das 10h às 15h
(Paloma – gerente)

Re Portela Depot
Especialidade:
Roupas e acessórios de grifes internacionais de luxo (Chanel, Dior, Valentino, etc). Destaque para as bolsas de coleções recentes
Aluguel ou venda: Só venda
Acervo: Cerca de 800 peças
Preço: De R$ 60 a R$ 3100
Provador: Sim
Endereço: Rua Oscar Freire, 686, cj 06. (11) 3081-5083. De seg. a sex. das 10h às 18h; sáb. das 11h às 17h
(Renata Portela – dona)

Degriffée
Especialidade:
Roupas e acessórios de grifes de luxo, nacionais e internacionais, tudo de coleções recentes
Aluguel ou venda: Só venda
Acervo: Cerca de 3 mil peças
Preço: De R$ 19 (um cinto) a R$ 1000 (bolsa Dolce & Gabbana), mas varia muito
Provador: Sim
Endereço: Av. Ibirapuera, 1.110. (11) 5083-4747. De ter. a sex. das 10h às 19h; Sáb. das10h às 17h

por Sarah Lee, do msn.onne.com.br

Vamos Comprar Menos?

É legal correr atrás de produtos baratinhos, ficar feliz em comprar uma roupinha nova ou descobrir aquela liqüidação ou ponta de estoque. Mas, muitas vezes, deixamos de descobrir como é legal não comprar.

Isso mesmo! Todos os dias, somos bombardeados por propaganda de tudo quanto é coisa, de roupas, a maquiagem, cremes, eletrodomésticos. A maioria desses produtos que a gente viu sem querer a gente nunca ia precisar e talvez nunca iríamos querer comprar se não soubéssemos que não existia. A publicidade cria em nós uma necessidade. Ela não existia antes e, provavelmente, não existiria se houvesse uma pílula de esquecimento imediato.

Porque nos deixamos ser convencidas que seremos mais bonitas, mais “antenadas”, mais desejadas, se possuirmos isso ou aquilo? Há alguns anos estavam na moda uns óculos de sol que eram praticamente transparentes, lembra? Onde já se viu isso? Óculos de sol que não protegem do sol? É o cúmulo do supérfluo.

Sim, precisamos nos vestir. Sim, é bom usar adornos, brilhos e cores. Maquiagem também pode ser tratamento de pele e faz uma baita diferença na nossa aparência e na nossa auto-estima. Mas se todo mundo está usando sombra verde, porque está na moda, e você detesta verde, porque usar? Não dá pra usar uma coisa só porque está na moda. Agora, se você viu algo que combina com você e, pra ajudar, também está na moda, aproveite.

Não acho desperdício comprar um agrado. Só acho desperdício comprar tanta maquiagem a ponto de os produtos estragarem porque não se tem tempo de usar tudo; entupir o guarda-roupa de peças que não têm muito a ver com você e só foram usadas duas ou três (ou nenhuma) vezes.

Qual foi a última vez que você olhou para o seu guarda-roupa? Quando foi a última vez que você separou o que você usava, o que precisava de ajustes de costura para voltar a ser usado e o que podia sair? Quando foi a última vez que você pensou qual era o seu estilo, que imagem você queria passar para o mundo, quem era você e como suas roupas traduziam isso?

Digo isso porque, com a ajuda prestimosa e indispensável de minha mãe, arrumei meu guarda-roupa. Primeiro, tirei tudo o que estava velho demais, que não tinha mais a ver comigo (tinha peças que estavam comigo há mais de dez anos!) ou que não me serviam mais. Depois, fui selecionando o que ainda estava bonito e me cabia, mas não tinha mais a ver comigo. Inacreditavelmente, foram duas malas grandes lotadas de roupas e, surpresa!, meu guarda-roupa continua cheio!

Olhando tudo arrumadinho, percebi que não preciso de tanto. Foi difícil, devo confessar, me despedir de algumas peças que guardava por puro apego afetivo: peças que me faziam lembrar de ocasiões agradáveis. Mas depois que elas saíram, senti-me mais leve. A boa lembrança que elas me traziam ainda está comigo e isso não ocupa espaço em meu pequeno apartamento de 55m2. Apego traz sofrimento e dá um trabalho danado!

Hoje mesmo, me deparei com um vestido (R$39,90), um cardigan (R$29,90) e uma blusinha (R$24,90) que olhei, gostei e pensei: “Hum… está baratinho”. Não levei. São quase cem reais que eu não preciso gastar, pois já tenho vários vestidinhos, posso tricotar um cardigan ainda mais bonito (tenho muitos novelos pedindo para serem tricotados) e uma blusinha que vai disputar espaço com outras tantas que eu usei pouquíssimas vezes. Já pensou se eu guardar esse dinherinho ao invés de gastá-lo com roupas e acessórios toda vez que eu tiver essas vontades? Dá pra fazer uma viagem, comer num restaurante especial e até presentear alguém querido.

Melhor que entupir o guarda-roupa, é encher o coração de aconchego, a cara de sorrisos, e ainda se sentir mais leve!