Arquivo de etiquetas: música

Pra ver, ouvir e sonhar

Trilha sonora do fim de semana, não necessariamente nessa ordem…

 

Anúncios

Michael Jackson – 1958-2009

Normal nunca foi uma palavra adequada para Michael Jackson. Desde pequenino, assombrava a todos com sua voz suingada e sua alegria ao cantar. Maduro, desinibido, envolvente, contagiante. Alguns duvidavam que aquele menino fenomenal tinha apenas 10 anos: “só pode ser um anãozinho de 45 anos”, diziam.

Quando dançava, então, era sobrenatural. Um dos deuses da dança que andou entre nós. Tornava-se o baixo, forte e denso, o violino chorando, um sopro, a bateria batia no ritmo do seu coração. Inventou o break-dance, criou sequências coreográficas icônicas, nos deu o moonwalk, seus giros eram impossíveis. Até hoje não tem par. Nunca terá. A energia de seu corpo em movimento era capaz de arrepiar 200 mil pessoas de só uma vez.

Mudou pra sempre a história da música: seu som juntava o soul, o black, o dance, o pop e até o rock. O primeiro artista a derrubar barreiras raciais e de gênero. Mudou a história dos videoclipes (que ele chamava de “short films” porque “a palavra vídeo não faz sentido”) e transformou o show numa performance. Ele não seguia tendência e influenciava além da música: emprestou à moda suas ombreiras, brilhos e militarismo, definiu cultura pop, reinventou a fotografia e o cinema para sua expressão artística. Músico, coreógrafo, bailarino, compositor, cantor, diretor, fotógrafo, poeta… E ele só queria ser conhecido como “entertainer”. Autêntico, inconfundível.

 Michael foi uma criança adulta e um adulto que não queria crescer, um Peter Pan que construiu sua própria Neverland, que morria de vergonha de tudo e de todos quando não estava se apresentando e que falava baixinho e com tamanha delicadeza que nem parecia ser o dono da mesma voz vibrante que explodia nos maiores palcos do mundo.

O artista que, sozinho, mais contribuiu com causas humanitárias. Morreu sem ver realizado seu maior sonho, o “Michael Jackson Children’s Hospital”, que ia ter palhaços, cinema e salão de jogos, “porque criança feliz se recupera mais rápido”.

Generoso, abraçava com o corpo todo, olhava nos olhos, gesticulava com as mãos abertas enquanto falava. Dividiu com a gente o que tinha de melhor. Quando penso em Michael, penso naqueles gritinhos, naquela mão que deslizava pelo corpo e provocava, naquele quadril soltíssimo, naqueles pés mágicos, naquele que era um dos sorrisos mais lindos do mundo. E sempre respondia aos fãs que gritavam “I love you” sem parar a níveis ensurdecedores: “I love you more”.

Deixa pra lá esses problemas que eram só dele e que a gente nem tinha o direito de bisbilhotar. Nunca ninguém sofreu tanto nas mãos da mídia marrom e teve que aguentar tantas mentiras e falsas acusações de quem só queria dinheiro, sempre o maldito dinheiro. Teve que explicar o inexplicável. E ganhou todas: “sou resistente, tenho pele de rinoceronte”. Invincible, unbreakable. Até o dia que ele quis dormir. A despedida ensaiada, o grande show, o maior de todos, a última volta ao mundo, não aconteceu. Ele deixou o palco enquanto a luz ainda estava acesa à espera dele. E todo mundo viu que ninguém mais poderia ocupar aquele lugar.

Ainda bem que temos o que ele nos deixou. Porque esse mundo vai ficar mais triste. E mais silencioso. E aquele arrepio que dava quando ele punha o casaco de paetê, a luva prateada e o chapéu e ouvíamos as primeiras batidas de Billie Jean vai virar um nó na garganta. Pelo menos por enquanto. Até a saudade deixar de ser uma lágrima e virar um brilho no olhar.

Goodnight, sweet prince.  Você sempre será o Rei do Pop.

 Vídeos de Michael Jackson no canal exclusivo do You Tube: http://www.youtube.com/michaeljackson

Chica Chica Bum Chic!

Carmen Miranda faria 100 anos esta semana, precisamente no dia 9 de fevereiro.

 

 

Não vou ficar falando da história dela e de como ela foi importante para passar um pouco da cultura brasileira para o mundo. Isso qualquer um acha no Google. Vou falar de como eu gosto de Carmen Miranda.

 

carmen-miranda

 

Primeiro, acho que ela tem um carisma enorme, um sorriso maravilhoso e um olhar vivo e brilhante, que nem uma película de filme em preto e branco conseguiram esconder. Imagine na década de 40, uma mulher sai do Brasil para prosseguir a vida como artista nos Estados Unidos, pois já era uma intérprete de sucesso por aqui. Seu grande hit veio na década de 30, cantando “O que é que a baiana tem?”, de Dorival Caymmi. Se é complicado agora, imagine só naquela época! Mas ela foi. E tornou-se a artista estrangeira mais bem paga do cinema.

Além disso, acho o máximo o que ela fez com o figurino. Ela sabia que o personagem não está completo sem o figurino adequado. Por isso, desenhava e costurava as próprias roupas, os adereços de cabelo e o monte de balangandãs (é assim que se escreve?). E para compensar a baixa altura, 1,53m, inventou as plataformas gigantescas. Figurinos riquíssimos, cheios de bordados e caprichos, que ela guardava com carinho e que hoje moram no Museu Carmen Miranda, no Rio de Janeiro.

 

carmen-miranda-21

 

Sua irmã, Aurora, dizia que, se não tivesse sido cantora e artista, teria sido estilista. Ela adorava pesquisar tecidos, inventar modelagens, experimentar.  Parecia ligada no 220V, gesticulava muito e falava alto. Seus olhos verdes pareciam duas esmeraldas e irridiavam um brilho difícil de imaginar apagado.

Mesmo assim, apagou-se. Cedo demais. No documentário produzido pela irmã, “Banana is my business”, podemos ver um pouco da tristeza dessa portuguesinha brasileira que ria tanto. Na biografia de Ruy Castro, “Carmen”, também.

Desde pequena, ouvia as músicas de Carmen Miranda, especialmente “Taí” e “Alô, Alô”, que sei de cor. Aquela vozinha aguda e simpática nunca mais me deixou. E acho que ela também não deixa mais o imaginário cultural brasileiro.

Ainda bem.

 

carmen-miranda-3

 

 Clique para ouvir Taí e Adeus Batucada

 

O que eu estou ouvindo

Minha trilha sonora ultimamente tem misturado elementos diversos, todos inspiradores.

 

YAEL NAIM

Yael Naim é dona de uma voz suave que canta em inglês, francês e hebraico. Seus arranjos são meio folk, meio sexy e convidam a brincadeiras. Às vezes, tem um tom de melancolia que não chega a deprimir mas faz pensar. Além disso, a menina tem um estilo todo lindo, confortável, boêmio e despretensioso. Vale a pena! Ah, a moça também tem site.

yael-naim2

 

 

MADELEINE PEYROUX

Diva total, voz de Billie Holiday. Pra quem gosta de jazz (ou quer tentar), experimente. A música convida à dança e ao sorriso. Estou ouvindo Dreamland mas tem outros dois cds da cantora disponíveis para venda. Escolha o seu. Seu estilo é delicado, muita seda, cores suaves ou estampas marcantes, que parecem ter sido pintadas à mão.

 

 

AMY WINEHOUSE

Falem o que quiser do estilo suicida de vida, dos escândalos, das drogas, mas nunca esqueçam o principal: essa menina sabe cantar. Sua voz nem é tão de veludo mas sua interpretação é de rasgar o coração. Qualquer um dos cds de Amy vale a pena. No momento, estou ouvindo Back to Black, um cd de 50 minutos de música da melhor qualidade.

E não dá pra falar de Amy sem falar no seu corajoso estilo “sessentinha dos infernos”, com o mega hair e o delineador, suas duas marcas registradas. Pra se inspirar, não pra copiar!

 

Pra quem quiser tentar fazer o cabelão, esse cara ensina tudo: http://www.youtube.com/watch?v=mVoxsRmZrC8

 

 Se bem que, agora, ela está assim:

amy1

 

Ui! Onde essa menina vai parar???