Arquivo da categoria: Arte

Inspiração para escolhas difíceis

 

Ou se tem chuva e não se tem sol

ou se tem sol e não se tem chuva!

Ou se calça a luva e não se põe o anel,

ou se põe o anel e não se calça a luva!

Quem sobe nos ares não fica no chão,

quem fica no chão não fica nos ares.

É uma grande pena que não se possa

estar ao mesmo tempo nos dois lugares!

Ou guardo o dinheiro e não compro o doce,

ou compro o doce e gasto o dinheiro.

Ou isso ou aquilo: ou isso ou aquilo…

e vivo escolhendo o dia inteiro!

Não sei se brinco, não sei se estudo,

se saio correndo ou fico tranqüilo.

Mas não consegui saber ainda

qual é melhor: se isso ou aquilo!

Cecília Meireles – Ou Isto ou Aquilo

Alfred Hitchcock

Hoje se completam 30 anos da morte do famoso diretor inglês, que mudou a história do suspense na tela.  Hitchcock não mudou apenas a maneira de fimar e de contar histórias, mas mexeu muito com a moda. Quem não se lembra das musas loiras do mestre do suspense? Dos conjuntinhos de Doris Day em O Homem que Sabia Demais aos vestidos glamurosos de Grace Kelly em Ladrão de Casaca? E seu ator preferido, Cary Grant, sempre elegantemente vestido e com o cabelo impecável, até quando era perseguido por um helicóptero, em North by Northwest?

 

 A legenda diz: “Cary Grant não está correndo para se exercitar!”

.

 

Tippi Hedren, a protagonista de Os Pássaros, acabou até virando Barbie!

.

O casal protagonista mais lindo de todos: Cary Grant e Ingrid Bergman em Interlúdio

.

É praticamente impossível escolher um favorito. Na fase inglesa, meu voto vai para Os 39 Degraus.

E depois disso, qualquer um com Cary Grant e Jimmy Stewart é pra rever indefinidamente.

.

 Pra ver todas as loiras de Hitchcock, dá uma olhada na página oficial dele neste site especializado em cinema.

E assista a reportagem especial do Jornal Hoje, que apresenta, entre muitas coisas, mais um dos grandes mistérios de Janela Indiscreta.

.

Tem sempre uma pegadinha nos filmes de Hitchcock: ele sempre aparecia de figurante numa cena qualquer. É um grande barato tentar encontrá-lo durante o filme. Alguns, até hoje, eu nunca consegui achar! E você? Qual é o seu filme preferido e em qual cena mais insólita viu o diretor? Eu já respondo a minha: repare no começo de Os Pássaros que Hitchcock sai de uma loja que vende pássaros como se tivesse acabado de comprar dois cachorros enormes!

 

Inspiração de Outono

 

A chuva chove…

A chuva chove mansamente…como um sono
Que tranquilize, pacifique, resserene…
A chuva chove mansamente…Que abandono!
A chuva é a música de um poema de Verlaine… E vem-me o sonho de uma véspera solene,
Em certo paço, já sem data e já sem dono…
Véspera triste como a noite, que envenene
A alma, evocando coisas líricas de outono…

 

Cecília Meireles

Vintage

E por falar em vintage, conheço um blog que é uma delícia pra quem gosta de imagens de antigamente: o The Tarnished Angels é um grande apanhado de informações, notícias, fotos e curiosidades. E o que é melhor: a maioria é brazuca mesmo! Muito legal ver imagens de gente hoje famosa e consagrada no comecinho da carreira. Corre lá e passe horas e horas exclamando: “Olha o fulano! Que novinho!”

.

Aliás, alguém consegue descobrir quem é a mocinha das fotos aí embaixo? A resposta aparece quando você passa o mouse em cima… Mas tente adivinhar primeiro! 😉

 

 

 

Fotos + Vintage me lembra o concurso de fotos antigas que o Sartorialist tá fazendo. Já viu? É muita beleza e histórias comoventes…

Inspiração para aprender

 

Responder a perguntas não respondo.

Perguntas impossíveis não pergunto.
Só do que sei de mim aos outros conto:
de mim, atravessada pelo mundo.

Toda a minha experiência, o meu estudo,
sou eu mesma que, em solidão paciente,
recolho do que em mim observo e escuto
muda lição, que ninguém mais entende.

O que sou vale mais do que o meu canto.
Apenas em linguagem vou dizendo
caminhos invisíveis por onde ando.

Tudo é secreto e de remoto exemplo.
Todos ouvimos, longe, o apelo do Anjo.
E todos somos pura flor de vento.

 

Soneto Antigo – Cecília Meireles

 

O Almodóvar do Líbano

 

Um salão de cabeleireiro… quer um universo mais feminino do que este? Pois foi exatamente onde Nadine Labaki centralizou a ação de Caramelo, um belíssimo filme de 2007 que trata, principalmente, do universo feminino. As mulheres lindas, ou nem tanto, exageradamente maquiadas e enfeitadas, enfrentam dilemas comuns a todas as mulheres do mundo. A paixão pelo homem errado, a escolha, o medo de envelhecer, o medo de ficar sozinha… é quase um Almodóvar libanês. Metáforas delicadas, como o caramelo, o sangue e a pomba (preste atenção) e os cabelos, produzem momentos de delicadeza e poesia. Repare também como a música e o figurino conversam com o diretor espanhol e suas mulheres fortes. Nadine, aliás, é também a protagonista e dona de uma beleza hipnotizante. Lindo demais. Pra assistir muitas vezes e reparar nos detalhes. Heloui, Ya Habibi!

 

 

 

Treinando o olhar

Muita gente se engana achando que saber moda é saber folhear “as revistas certas” e assistir desfiles. Não sou, nem quero ser, uma expert em moda, mas posso garantir que moda, assim como toda e qualquer manifestação artística, é sempre carregada de cultura e subjetividade. Legal mesmo é quando a gente reconhece um caminho desenhando por alguém em uma roupa, entende de onde veio a inspiração que virou estampa, forma e cor. Mais legal ainda é a gente compartilhar com o criador alguns segredos e poder conversar com essa obra de arte que veste corpos e se mexe. Isso, quando a roupa é, literalmente, uma obra de arte.

Que McQueen era genial, isso todo mundo já sabe. Mas a última e póstuma coleção, mostra quão bem ele sabia olhar pra arte, destituir as pinturas, esculturas ou decorações de seus atributos e significados originais, e reconstrui-las em forma de estampa, primando pela cor e pela forma. As estampas acima foram recortadas e remontadas a partir dos entalhes decorativos de Grinling Gibbons e das cores e figuras de Stephan Lochner, como no tríptico Adoração, abaixo:

(clica na imagem pra ver em alta resolução)

No mesmo desfile, outra figura marcante da História da Arte deu as caras:

Hieronymus Bosch (ativo entre os séculos 15 e 16) é um pintor único. Com suas figuras monstruosas e suas visões do inferno, deixou uma legião de admiradores e dezenas de artistas tiveram seu trabalho como inspiração. Pintava as figuras obscuras como aviso, num típico clima religioso medieval, para lembrar os que pecavam que Deus está observando (como diz uma de suas obras mais conhecidas, uma mesa decorada com o olho de Deus no centro e os sete pecados capitais ao redor). McQueen escolheu o tríptico mais famoso de Bosch, O Jardim das Delícias (os dois primeiros detalhes abaixo), que retrata o paraíso, uma vida de pecados e o inferno, e o também famosíssimo As Tentações de Santo Antão (acima).

Por isso, moda, assim como música, cinema, arte, livros etc, etc… conversam o tempo todo, a toda hora, em qualquer lugar. Quanto mais você conhece do mundo, mais aguçados vão ficar seus olhos. Assim, você vai treinando o olhar pra encontrar beleza até no inferno de Bosch.

 As imagens dos desfiles são do site oficial do McQueen e as fotos das obras de arte do meu acervo pessoal.