Arquivo da categoria: meio ambiente

Inspiração para libertar

 

O que aconteceu semana passada no Sea World (uma das orcas matou a treinadora mais experiente do parque) me fez pensar nos animais presos nesse tipo de cativeiro. Porque não é só estar ali, sem ter o mar inteiro pra nadar, nem utilizar toda a força pra caçar seu alimento, nem procriar na hora certa. É fazer todos os dias, várias vezes ao dia, movimentos repetitivos ao som de uma música bate-estaca altíssima, ser privado de alimento pra ser recompensado na hora do truque e usar 10% (ou menos) da sua capacidade de força e agressividade.

O âncora do Jornal da Band falou uma frase depois de anunciar a notícia que eu quero reproduzir aqui: “Só falta sacrificarem a baleia! Ela já teve sua vida sacrificada por estar trancada naquele tanque”. Bati palmas. Certamente, me solidarizo com a dor da família dessa mulher de 40 anos cujo sonho de infância era treinar baleias. Mas, e a dor do animal? Será que não seria muito melhor investir o dinheiro para manter um show desse porte num programa mundial de proteção ao meio ambiente, para que esses animais pudessem nadar livres, em mares limpos?

Existem animais que adoram a companhia do homem, vivem adaptados à nossa realidade e às nossas casas. Outros, simplesmente, nunca se adaptarão. Serão sempre mais felizes em seus ambientes, longe dos nossos olhos e das nossas mãos. É assim, longe, que eles são lindos. É dessa forma que deveríamos apreciá-los.

Zoológicos que mantém espécies próximas à extinção em suas jaulas são, infelizmente, uma necessidade atualmente. Se não fosse pelo trabalho de reprodução assistida e preservação, muitas delas já teriam desaparecido pela caça predatória ou pela destruição de seu habitat. Mas meu sonho é que isso seja apenas uma medida paliativa e temporária, para que, no futuro, não haja mais necessidade de animais presos.

Se eu acreditar que o homem é dotado de inteligência e compaixão suficientes para cuidar desse planeta e dos que nele vivem, um dia também acreditarei que esse sonho seja realidade. E não precisarei viver num mundo sem pandas, tigres, araras-azuis…

 

Inspiração para ver as cores

 

 

Depois de muita água, carros arrastados, trânsito caótico e quase 100 pessoas mortas, a chuva parou de castigar São Paulo.

E da janela, a promessa c0lorida de calor (muito calor) e tempo seco.

Além, claro, das obras de benfeitoria dos órgãos responsáveis, é dever nosso não jogar lixo na rua, economizar água (sim, a água que vem do céu não é a mesma que sai da sua torneira; por isso, antes de varrer a calçada com a mangueira e tomar banho de 1 hora, seja consciente!) e usar sacola de tecido no supermercado, entre outras coisas.

O verão vem aí… e vem forte!

 

Twitter e o Pôr do Sol

Sim, estou usando o Twitter. Escrevi algumas vezes. Agora escrevo só de vez em quando. Da vida dos outros, dos tais famosos, também me cansei. Quando a gente começa a ver que tem tanta gente fazendo coisas supostamente mais interessantes do que o que estamos fazendo, podemos achar que nossa vida é sem graça e que nossa meta deve ser essa ou aquela vida.

Aí que a gente erra. Primeiro por não darmos valor ao que temos e achar que a felicidade está sempre um passo adiante, uma compra adiante, um relacionamento adiante. Não está. O maior desafio é tentar enxergar a felicidade daquele momento, por mais simples que ela seja, por mais brega que possa parecer, por mais gosto de ‘bolo simples e sem cobertura’ que tenha.

Segundo, porque erramos em nos interessar mais pela vida dos outros do que pela nossa. A vida de todo mundo dá um livro, mais ou menos interessante, mais ou menos apoteótico, mas é uma narrativa de vida e ela não precisa “dar certo”, o que quer que isso signifique num contexto capitalista. Claro que temos que ter metas, temos que ser ambiciosos, mas egoísmo é um negócio horroroso e muitas pessoas acreditam que devem “chegar lá” a qualquer custo, mesmo que puxando tapetes alheios ou sendo desleal. Quando a gente coloca metas reais pra alcançar um sonho que parece irreal, damos o primeiro passo em direção à realização pessoal, que é apenas outro nome da felicidade. Conservar e cuidar dos amigos, respeitar nossos sentimentos e motivos, ser leal, honesto e sincero, encurta e facilita o caminho até a felicidade.

Por isso, eu não acho o twitter o máximo, não dou muita importância (embora isso tenha sido capa de revista um monte de vezes… assim como o orkut) e não quero saber o que estão fazendo ou onde estão alguns fulanos pouco ou muito famosos por aí. Quero saber de mim e de quem eu amo, dos meus amigos e amigas mais que queridas, das pessoas que tem algo a me dizer, e sobre esses, posso até recorrer ao twitter. E principalmente, não quero desperdiçar meu tempo, meus recursos e minha energia. A gente perde tanto tempo adquirindo informações que amanhã não servirão para nada! Já pensou nisso?

Na minha frente, entra pela janela uma luz dourada típica de um pôr do sol de inverno. Vai durar apenas alguns minutos e logo terá desaparecido na noite. “Nothing gold can stay” (“nada que é dourado pode durar), já dizia o poeta. Prefiro assistir ao pôr do sol a ficar correndo atrás de bits e bytes. No silêncio das máquinas desligadas e de mim mesma. “The grass below… Above, the vaulted sky” (“A grama embaixo… Acima, o céu arredondado”).

 

img_6926

O pôr do sol na janela… Não é lindo?

 

E pra quem tá em Sampa, neste final de semana acontece a Feira de Artesanato da Vila Madalena, na Rua Fradique Coutinho, dia 16, a partir das 8h. Vai passear! 😉 

Dia Mundial do Meio Ambiente

Tá, colocaram no calendário que hoje é dia mundial do meio ambiente. A gente vê listas de muitas coisas em todos os lugares, listas de coisas que poderíamos fazer todos os dias, como economizar água, plantar uma árvore, reciclar o lixo.

Acho digno que haja uma data para nos lembrar, mas acho péssimo que muita gente precise dela. Acho ótimo que haja um dia de mobilização, de conscientização, mas acho horrível que o esquecimento aconteça.

Lembrar do planeta é lembrarmos de nós mesmos. Você algum dia já esqueceu de viver, de respirar, de comer? Às vezes, durante nosso dia a dia atarefado, a gente esquece de se cuidar, come bobagem, não toma água. Mas a gente se recrimina, se lembra que tem que se cuidar direito, não é? Com o planeta deveria ser assim: descuidar pode até ser uma bobeada, uma vacilada, mas não a regra.

Dia Mundial do Meio Ambiente = Dia Mundial da Humanidade, das Plantas, dos Animais e do Planeta. Dia da gente se lembrar de cuidar da nossa casa. Sugestão: plante uma árvore!