Arquivo de etiquetas: fotografia

Vintage

E por falar em vintage, conheço um blog que é uma delícia pra quem gosta de imagens de antigamente: o The Tarnished Angels é um grande apanhado de informações, notícias, fotos e curiosidades. E o que é melhor: a maioria é brazuca mesmo! Muito legal ver imagens de gente hoje famosa e consagrada no comecinho da carreira. Corre lá e passe horas e horas exclamando: “Olha o fulano! Que novinho!”

.

Aliás, alguém consegue descobrir quem é a mocinha das fotos aí embaixo? A resposta aparece quando você passa o mouse em cima… Mas tente adivinhar primeiro! 😉

 

 

 

Fotos + Vintage me lembra o concurso de fotos antigas que o Sartorialist tá fazendo. Já viu? É muita beleza e histórias comoventes…

Inspiração para aprender

 

Responder a perguntas não respondo.

Perguntas impossíveis não pergunto.
Só do que sei de mim aos outros conto:
de mim, atravessada pelo mundo.

Toda a minha experiência, o meu estudo,
sou eu mesma que, em solidão paciente,
recolho do que em mim observo e escuto
muda lição, que ninguém mais entende.

O que sou vale mais do que o meu canto.
Apenas em linguagem vou dizendo
caminhos invisíveis por onde ando.

Tudo é secreto e de remoto exemplo.
Todos ouvimos, longe, o apelo do Anjo.
E todos somos pura flor de vento.

 

Soneto Antigo – Cecília Meireles

 

Inspiração para a Paz

 

“E terão de forjar de suas espadas relhas de arado e, de suas lanças, podadeiras.

Não levantará espada nação contra nação, nem aprenderão mais a guerra.”

.

Todos os livros sagrados são lindos. A Bíblia (de onde foi tirada a citação acima), os livros sagrados do hinduísmo (Vedas), o Tao Te Ching (Taoísmo) e o Alcorão são pura poesia. Pra ler e reler, sempre.

Hoje

Ouvi uma história bem bonita sobre os porcos-espinho. Não sei se há verdade “biológica” mas é uma boa metáfora. No começo da Era Glacial, os animais começaram a dormir e andar em bandos para se aquecer. Os porcos-espinho também fizeram a mesma coisa mas enfrentaram um problema que os outros animais não tinham: ao se tocarem, também se feriam. Isso os afastou por um tempo. Logo, muitos deles começaram a morrer de frio. Os que sobreviveram tiveram a ideia de se juntarem novamente para se aquecer. Sim, eles continuavam se espetando mas aquilo era insignificante diante do bem-estar e do calor que vinham do fato de estarem juntos.

 

Pensando em nós, humanos, é mais ou menos a mesma coisa. Às vezes, estar junto pode machucar. Mas quem consegue viver sozinho? Solidão pode matar… E não estou falando apenas de laços afetivos amorosos, com quem a gente escolhe para compartilhar a vida. Mas de família, de amigos, de todo mundo que está perto e um dia pode ferir. Quando isso acontecer, lembre-se do calor, do aconchego, da vida. Não é que isso torna as coisas “fáceis de aguentar”. É muito melhor que isso: é assim que a gente aprende a viver.

Hoje é dia de trabalho, correria e cansaço. Mas também é dia de viver, de sorrir e de abraçar. Não se esqueça disso!