Arquivo da categoria: Livros

Inspiração para voltar a sorrir

Para Ana

 

“Quero um sorriso

que dure uma quadra

e dobre a esquina

a iluminar-me”

.

Nei Duclós, poeta brasileiro, no livro Outubro

 

Foto: Ntaimo’s niece (L) and friends having a good time, Kitwe,  Zambia: The kids are laughing at Ntaimo’s joke! – http://ie.tamu.edu/People/faculty/Ntaimo/personal_web/photos.htm

 

Desligue o PC e Vá Ler um Livro!

Sugestões de clássicos fáceis de achar e baratinhos…

Pra gelar a espinha…

poe

CONTOS DE TERROR, DE MISTÉRIO E DE MORTE
de Edgar Allan Poe

Pra mudar a sua vida…

guimaraes

GRANDE SERTAO – VEREDAS
de Guimarães Rosa

Pra ver poesia todos os dias, com olhos de criança…

cecilia

OU ISTO OU AQUILO
de Cecília Meirelles

Pra se apaixonar por literatura…

victor_hugo

O CORCUNDA DE NOTRE DAME
de Victor Hugo

Pra rir e se emocionar…

calvin-e-haroldo

QUALQUER LIVRO/TIRA DO CALVIN E DO HAROLDO

Pra se divertir e aprender…

stevenson

A ILHA DO TESOURO
de Robert Louis Stevenson

Recomendo a edição da editora Melhoramentos, que tem um monte de notas e ilustrações sobre o mundo dos piratas. É bem melhor que Piratas do Caribe…

Pra ter sonhos bons…

vinicius

CANCIONEIRO
de Vinicius de Moraes

Boa leitura!  😉

Lançamento – Para Francisco

Não era só um lançamento de livro. Era um encontro. Pessoas foram até lá pra ver como é ser alguém que conseguiu superar a perda e a dor por meio da beleza. Porque o texto é lindo e a pessoa que o escreve também. O bate-papo começou descontraído, quase tímido. Poucas perguntas. O que perguntar pra alguém que já disse tudo? O que ainda pode se pedir para ver diante de alguém que nunca se esconde?

 

img_4553

 

Cristiana Guerra sorri pouco. Mas quando sorri, sorri com todos os dentes e toda a vontade. Sua economia de sorrisos não se reflete em suas palavras. Escreve muito, fala muito. O livro foi e é mesmo para Francisco, o filho que ela teve dois meses depois de virar viúva. “Ele vai gostar de ver o que escrevi quando crescer? Não sei”, diz ela, quando perguntada sobre sua exposição. Ela se expõe, ela se admite assim, aberta para a vida e para o mundo. Francisco não escolheu isso. Por isso, embora toda a razão de ser do livro e do blog seja ele, ela quer poupá-lo. Ele pode decidir o que quiser depois que aprender o que é estar nesse mundo.

Embora, como ela mesma diz, seja uma situação tão peculiar – uma mulher grávida que fica viúva – ela descobriu que muitas pessoas lêem o blog e se interessam pela sua trajetória porque, é claro, trata-se de uma história de amor. Um amor que nasce da superação da dor e da perda e da tentativa de lidar com um imprevisto cruel.

O mais incrível de toda essa história é que reuniu pessoas que nunca, provavelmente, se encontrariam. É isso, também, que tornou essa noite tão especial: as pessoas que estavam ali, emocionando-se com a história da Cris, também estavam encontrando novos amigos e começando uma nova história da afeto. Afeto e saber valorizar o que temos de mais importante: é assim que se aprende a viver.

Eu sempre penso nisso e, depois de ontem, vi que esse é um dos grandes segredos para se viver em paz, consigo mesmo e com os outros: saber ignorar o que parece ter importância, mas não tem, e valorizar o momento único e belo que jamais voltará. Lembro-me de uma frase do filme argentino O Filho da Noiva, que o personagem que perdeu a mulher e a filha pequena em um acidente diz para o amigo: “Quando você percebe que nunca irá te acontecer nada pior do que já te aconteceu, você adquire um certo poder”. Acho que a Cris tem esse poder.

Fiquei muito feliz de ter encontrado a Cris e, principalmente, de conhecer essas meninas lindas que começaram a fazer parte da minha vida nesta semana. Meninas de Sampa, vocês sabem onde eu estou. Ana, queria que o Rio fosse mais perto (uns 20 minutos, no máximo). Vamos ficar com as fotos, pra já ir matando as saudades.

 

img_4556

Cris Guerra e eu

img_4600

Dany, Lilian, Ana e eu com nossos livros autografados

img_4618

Ficamos até às 22h só pra bater essa foto

Encontro de Blogueiras

Hoje, aqui em São Paulo, vai ter o lançamento do livro Para Francisco, da Cris Guerra, que escreve o blog do mesmo nome. Aproveitamos para promover um encontro de meninas que só se conheciam pela blogsfera: LouLilian, Lily e a Ana do Hoje Vou Assim Off, que veio lá do Rio de Janeiro.

Sábado, a gente se encontrou, comeu pizza e deu muita risada.

img_4505

Na foto, eu, Lou, Ana, Lilian e Lily e os meninos acompanhantes.

 

Ontem, fui com a Ana passear pelas pontas de estoque da vida e para a 25 de março. Pegamos chuva, fomos abordadas por pessoas assustadoras e simpáticas e levamos bico de guarda-chuva na cabeça. O que seria dos passeios sem as surpresas? Pelo menos a gente riu muito!

No sábado, estávamos conversando na mesa sobre o que é escrever um blog e até que ponto podemos nos expor. Sim, concordo que o blog é uma exposição, que mostramos nossa cara, escrevemos nossas opiniões e ficamos à mercê do julgamento alheio. É um risco? Sim, claro, mas, no meu caso pelo menos, é um risco calculado. Sei quanto devo me expôr e até que ponto devo ir. Esta é minha casa on-line, mas só libero a sala de estar para as visitas. Falo e mostro o que quero.

Temos que tomar mesmo cuidado porque nunca se sabe o que se passa na cabeça das pessoas. Faço tudo na maior boa intenção e, como o encontro de sábado provou, ganhei amigas com isso. Um encontro que só foi possível graças à internet e aos blogs, à coragem de se expor (um pouco) e de querer compartilhar.

Para tudo na vida deve haver equilíbrio. Claro que o mundo virtual nunca substituirá o meu mundo real, onde as pessoas se encontram, se olham nos olhos e se abraçam. Mas o mundo virtual PODE proporcionar um encontro real, uma satisfação real, uma amizade real. Deve-se ter o bom senso de saber aproveitar o melhor dos dois mundos, sem que um substitua o outro. Blog e email, por enquanto, são suficientes para mim. Até tenho uma conta no Flickr mas ainda não usei. E tempo pra tudo isso, quem tem? Eu, ainda não. E nem sei se terei um dia. Se for pra passar 12 horas na frente do computador, é melhor pensar duas vezes. Quando vai dar tempo de sair, tomar um chá, bater um papo? Já escrevi sobre isso aqui e continuo tendo a mesma opinião.

Hoje, viva

 

“Tudo o que pertence ao passado é do âmbito da morte. Portanto, meu caro Lucílio, age como dizes na tua carta: sê o proprietário de todas as tuas horas. Serás menos escravo do amanhã se te tornares dono do presente. Enquanto a remetemos para mais tarde, a vida passa. Nada, Lucílio, nos pertence: só o tempo é nosso”.

Sêneca escrevendo a Lucílio. As cartas estão no livro As Relações Humanas, da Editora Landy.