Arquivo de etiquetas: Bazar

Talento, Criatividade e Trabalho: Nasce um Estilista!

Cada vez que vejo alguma coisa que me tira do sério eu faço questão de falar. Quando vejo alguém que trabalha, sonha alto com os pés no chão, é humilde e cheio de energia pra concretizar suas metas, me animo com moda e criatividade.

 

Quem ainda não conhece o Verson, tem que correr no blog dele já! Além de ter um talento incrível pra escrever e fazer a gente morrer de rir gongando os “famosos” e seus figurinos bizarros, o moço sabe criar e costurar!

Esta semana, ele lançou sua mini-coleção de fim de ano, com saias, bolsas e blusas. As peças são feitas caprichosamente uma a uma, alta-costura mesmo, com o capricho que quem já tem um nome a zelar.

Tudo bem que ele começa a faculdade de moda ano que vem, mas vamos combinar que você nasceu quase pronto, né, Verson? O mais importante você já tem: o dom e o talento. A faculdade é pra te ensinar técnica e outras coisinhas que a gente aprende na convivência e com a experiência.

 

Olho nele!

Pra ver o lookbook, clica aqui! Pra comprar as peças lindas, clica aqui!

 

As Cores e Flores da Farm

Rua Harmonia 57, em plena Vila Madalena. No endereço, um enorme painel anuncia: Harmonia gera Harmonia, Amor gera Amor, Gentileza gera Gentileza. Por trás da mensagem, surge a novidade: o terceiro espaço da grife Farm em São Paulo, inaugurado há duas semanas.

A gerente Renata vem me receber com seus faiscantes olhos verdes e seu delicioso sotaque carioca. As meninas que atendem os clientes (todas lindas!) vem nos receber na porta com um sorriso. A sensação é de chegar na casa de amigas, que mais parece um oásis num dia de muito calor: o espaço é refrescante, o verde repousa os olhos, é tudo aberto e ventilado…

A loja – que por causa da localização ganhou o nome de Farm Harmonia – ocupa uma casa de 1060 m2, que segue o conceito de “arquitetura verde”. Lá tudo respira natureza e transpira a alma carioca: da enorme escada feita com tronco de reflorestamento aos provadores em meio a uma mini floresta.

img_6119

img_6140

Os provadores ficam aí dentro, em cubículos que parecem boxes com duchas. Aliás, reparem nas duchas…

A casa, um projeto de escritório franco-brasileiro Triptyque – premiado  no concurso NAJA 2008 – tem um processo de captação da água da chuva  que é tratada e reaproveitada no próprio espaço, através de um sistema de tubulação aparente que irriga a vegetação que adorna o prédio.

irrigharmonia_p

Sua arquitetura é bem peculiar e criativa: são dois enormes blocos envidraçados, unidos por uma passarela metálica sob um área interna que se abre como uma clareira. As cores que predominam no projeto da Farm Harmonia são o amarelo e o verde. Bem brasileiro!

cimg1165

A praia nos recebe na entrada, com areia e muito espaço. Uma árvore com 500 borboletas dá as boas-vindas aos visitantes. Ao fundo, ainda no primeiro piso, a Farm Harmonia entra no clima da Vila Madalena e vai oferecer um programa inusitado aos domingos: um refrescante banho de mangueira  – com água captada pelos tubos da casa – regado a samba de raiz, cerveja e água de coco, num clima bem carioca.

img_6142

Além de roupas da coleção atual, peças únicas (piloto) de coleções passadas também estarão à venda, além de um bazar, no terceiro andar. Outra inovação do espaço é promover, através de exposições e palestras, uma integração maior entre moda e arte.

As roupas são fresquinhas, larguinhas e cheias de detalhes cuidadosos, como bordados e aplicações.

img_6124

As havaianas customizadas são de-li-ci-o-sas! Pra comprar e usar muito! Aliás, os preços, tanto da coleção nova, “Rosa dos Ventos”, quanto do bazar, estão muito bons.

img_6144

Fico contente de ter aqui na Vila um projeto que reúne moda, bem viver e ecologia. Fico ansiosa pelos cursos e projetos culturais que possam estar chegando por aí. E ter um pedacinho do Rio aqui perto é um privilégio.

Dá uma passadinha: Farm Hamonia – Rua Harmonia, 57, na Vila Madalena. Também dê uma olhada no site, que tem um blog delicioso.

Preconceito

Todo mundo fala em aceitar as “minorias”, conviver pacificamente com os diversos estilos de vida, não recriminar os alternativos e pregar a aceitação geral. Infelizmente, muitas vezes não é o que eu vejo por aí.

Freqüento muito bazar porque não gosto de pagar caro mas gosto de roupa bonita. Muitas vezes, roupas bonitas e bem cortadas tem seu preço e ele não costuma ser baixo. Por isso gosto tanto de brechó e costureira (viva a costureira!), porque dá pra fazer uma roupa fantástica sem gastar os tubos. Mas às vezes também dá vontade de ter uma roupa que você viu num catálogo ou num desfile. Daí a opção pelos bazares.

Enfim, os bazares costumam ter o mesmo tipo de atendimento que a loja daquela marca costuma dar. E uma coisa é certa: todo mundo julga todo mundo pela aparência. Assim que você entra, te medem de cima a baixo pra ver se você “merece” ou até mesmo “pode” entrar ali e sair desfilando a roupa do fulano. Ou mesmo te olham com aquela cara de “não compra na loja porque não tem $$$ e agora vem pro bazar”. No meu caso, é isso mesmo. Não tenho a menor vergonha de assumir que, mesmo que tivesse dinheiro, talvez pensasse duas vezes. Mas hoje não dá pra gastar R$300, R$400 num vestido.

Algumas grifes já se tocaram e tratam bem suas consumidoras de bazar. Outras, como eu já descrevi, te olham com preconceito, como se pensassem: “aqui é para os pobres”.

Vamos parar com isso, né? Já fiquei revoltada, mas hoje fico chateada porque vejo essa atitude entre “amigos”, colegas e até parentes. Vergonha de sair com o fulano porque ele se veste mal (a pessoa julgando) e ninguém tem a decência de dar uns toques. Vergonha de chamar a fulana pra festa, porque ela vai levar o namorado que é “feio” e vai pegar mal num grupo de pessoas “bonitas” (acreditem, já vi gente pensando assim, deplorável). Vergonha de ter como amigo alguém que não pode comprar determinadas grifes ou freqüentar certos lugares.

Isso é ser raso demais… Mas em alguns lugares e em certos grupos, é regra. Tudo bem, os iguais se atraem. Eu quero ser diferente. Eu gosto de gente que tem personalidade e sai por aí vestido dele mesmo/dela mesma, feliz da vida, sem ter a obrigação de sair em nenhuma página de revista como o “Look do Ano”. Adoro quando as pessoas não seguem regrinhas pra se vestir e ousam. Acho o máximo quando dá vontade e a pessoa obedece essa vontade. Ainda somos tímidos demais pra nos vestirmos (eu acho) e ainda copiamos demais (eu acho).

“Eu não gosto do bom gosto. Eu não gosto do bom senso”, já dizia Adriana Calcanhoto. Caretice, etiqueta, ser “comportadinho” e “certinho”. Ser “aceitável” e, principalmente, ser nulo. Tudo isso pra mim é zero de identidade.

Tudo bem se me medirem dos pés à cabeça (ou da cabeça aos pés) quando eu entrar numa loja. Se eles acham que eu não deveria estar ali o problema é deles que deixaram a porta aberta e convidaram pra entrar. Sou eu que estou escolhendo se quero estar ali. E meu cartão de crédito paga igual ao de todo mundo. Se eu gostar de alguma coisa, ótimo. Se não gostar, tudo bem também. O que eu acho que devia deixar de ser regra é julgar um livro pela capa e não pelo conteúdo.

Se a amiga não tá usando uma roupa que favorece, seja amiga e dê um toque. Mas se esse for o jeito dela e você a ama assim mesmo, os outros que se danem. Mesma coisa para aqueles babacas que não saem com pessoas “feias”, “gordas” ou “pobres”. Feio mesmo é alguém preconceituoso e materialista, gordo ou magro, quem define é o contexto social e a mente e o coração são todos mais ou menos do mesmo tamanho e pobre é quem não tem amor. Essa última foi piegas, mas é do fundo do coração.

Vocês entendem, né? 🙂

ANTES de Comprar, Pare Pra Pensar

Toda essa avalanche de bazares e liqüidações me deixou um pouco aflita. Não sei se é simplesmente a necessidade de pelo menos ver tudo o que estão liqüidando ou a oportunidade de fazer um negócio da China mas, fato é que é um pouco aflitivo acompanhar tudo.

É engraçado mas acabo achando que liqüidação é pra gastar um dinheiro que eu não tenho numa coisa que eu não preciso. É diferente sair de casa para passear, não levar carteira, simplesmente para dar uma volta por aí. Outra, bem diferente, é ir ver o bazar do fulano ou a liqüidação daquela loja, pra tentar encontrar uma peça que seria uma “oportunidade”.

O que eu vejo, e muito, é um monte de roupas caras, a maioria delas com pequenos defeitos (que, se você reclamar, ainda tem que encarar uma cara feia). Escrevo isso motivada por uma visita que eu fiz a um bazar de um estilista fa-moSSSSSSÉEEERRRRi-mo e acabei com a cara no chão. Um festival de roupas feias, mal acabadas, com tecidos de péssima qualidade, e CARAS. Sim, era um bazar com vestidos de malha fria xuê custando mais de R$100 (vestidos que no Bom Retiro você compra por R$19,90), camisetas horrorosas, estampas pavorosas e roupas de frio para um inverno escandinavo, incluindo aí blusas de lã e casacos tããããooo pesados que mal dava pra manter a pose.

Havia, claro, pouquíssimas exceções, entre elas um vestido de seda pura por R$135 (com um rasgo na costura e manchas de ferrugem). Nada, absolutamente NADA que justificasse a minha ida. Confesso que fui movida a propaganda e pela fama do tal estilista. Já tinha ido a um bazar dele ano passado e também não tinha comprado nada. Pensei que este ano daria mais sorte, mas só me fez ter a certeza que ano que vem vou me “poupar a fadiga”.

Por isso, fiz essa reflexão: será que precisamos comprar SÓ porque está em liqüidação? Ou pior, só para ter a chande de carregarmos a etiqueta do fulano no avesso de uma roupa horrorosa? Claro que sou super a favor do bom negócio e, ao encontrar uma peça que valha a pena, eu sou a favor da compra. Mas temos que pensar em pelo menos 3 coisas:

  • Quantas vezes vou usar isso?
  • Estou comprando só porque está em liqüidação? Ou seja, essa peça me chamaria a atenção numa vitrine?
  • O preço é REALMENTE de liqüidação? Não se deixe enganar pelos 70% OFF da etiqueta. Pagar R$100 por uma camiseta ou R$300 por um vestidinho de malha que antes chegavam a preços estratosféricos não vale a pena.

Me lembro de uma coisa que o Kenzo disse quando estava aqui no SPFW: “Roupa no Brasil é muito cara. Na Europa, é fácil se vestir bem e ser elegante mesmo com pouca grana”. O que me faz pensar: o povo brasileiro trabalha até o meio do ano só para pagar impostos, ganha mal e ainda tem que pagar uma fortuna por roupas mal feitas, com tecidos de péssima qualidade, que alcançam um valor altíssimo só por causa da fama dos que as desenharam?

Por isso, brechó e trocas são legais. Mas o mais legal mesmo é não jogar fora uma roupa eterna, tipo aquele vestidinho preto que nunca faz feio, aquela bolsa que sua avó usou quando namorava seu avô, ou aquele broche que já passa de geração em geração. Fuçar o guarda-roupa, tentar combinações diferentes, investir em acessórios que mudam a cara da produção, como meias coloridas e cintos.

Marca e fama não são nada. Tenho dó de pessoas que economizam a vida toda (ou pelo menos alguns anos) só pra comprar a bolsa daquela marca, provavelmente feita de couro ou algum produto de origem animal (mas nem vou entrar nesse mérito). Será que sua bolsa vai dizer quem você é? Não é melhor você mesmo dizer quem você é? Senão, outras pessoas podem falar por você, coisas que você talvez até discorde. E algumas pessoas acabam como a foto acima, sem identidade nenhuma, escondidas atrás dos pacotes.

Temos que começar a pensar que marca não é nada e nossa identidade não pode ser definida por outra pessoa. Tudo bem comprar algo que te agrade, com o qual você se identifica, mas só comprar porque é do fulano, desculpe-me, mas é burrice. E há grupos de pessoas que vivem assim, se reproduzem assim, e conduzem um grupo de pessoas que pensa e vive assim. Num mundo de aparências que não dizem nada, apenas propagam um modo de vida materialista e consumista.

Li no site de tendências WGSN que, no futuro, os jovens consumidores de moda serão materialistas, consumistas desenfreados, com muito poder aquisitivo e conhecimento. Parece um futuro sombrio querer agradar a um bando de mimados.

Enquanto isso, será que não podemos resgatar o que já estava guardado lá no fundo do armário, vestir-se com personalidade e nos assumir? É preciso coragem, mas sei que teremos. John Lennon já deu a fórmula do sucesso há 40 anos: “Pense globalmente, aja localmente”.