Arquivo da categoria: vintage

Ciclo Cinema, Corpo e Moda – Desejo e Perigo

Primeiro dia do evento promovido pela PUC- SP, com a exibição do filme Desejo e Perigo (2007), de Ang Lee.

 

 

Primeiramente: assista o filme! Vale muito, é sensacional e, por favor, tire as crianças da sala, porque as cenas de sexo são fortes. Acho que é mais legal falar com quem já assistiu ao filme e quem não quiser spoilers, por favor, pare aqui. 🙂

 

O tema a ser observado era o figurino na construção e ambiguidade da personagem. Bem, trata-se de uma história de espionagem, que a protagonista tem que se passar por uma mulher sofisticada e rica, sendo ela mesma uma pobre estudante. Para formar essa personagem, ela se veste com os símbolos de poder e status: o cabelo liso e escorrido passa a ser encarolado, a boca limpa exibe um chamativo batom vermelho (extravagância nos tempos de  guerra onde falta tudo) e os tecidos de algodão são substituídos pelo brilho da seda.

 

lust caution 04 lust caution 05

lust caution 11 lust caution 08

 

As jóias são um capítulo à parte: são, para as mulheres, um símbolo do status do homem que está ao lado delas. Afinal, o espaço delas é o interno, é dentro de casa ou fazendo compras com o dinheiro deles, e as jóias brilham mais nas mãos limpas e de unhas brilhantes das senhoras que não fazem nada a não ser apostar nas mesas de majhong, como disse a palestrante convidada Dhora. São mulheres tão sem identidade que são conhecidas apenas pelos nomes de seus maridos. O ambiente é fotográfico, o cenário é construído detalhadamente, “parece uma fotografia antiga”, como disse a professora Ana. É tudo delicado e bem cuidado, constrastando com a violência das cenas de intimidade e da violência que podemos imaginar que faz parte do dia a dia do Sr. Yee, o amante seduzido por Wang e alvo do grupo de resistência.

 

lust caution 15

 

Outra coisa muita citada no debate foi que o figurino, além de ser formado pelas roupas, é também formado pela textura dos tecidos, pelo brilho das jóias, pelos fios de cabelo bem penteados. Fazem parte também os ângulos, os olhares, os gestos pequenos e calculados, o cigarro. Todos esses elementos visuais também contam uma narrativa de transformação. Os tecidos dos vestidos são geralmente rendados ou com uma leve transparência, o que sempre dá a impressão que a verdadeira intenção é revelar e não esconder o corpo.

 

lust caution 16 lust caution 03

lust caution 12 lust caution 13

 

Embora o estilo do figurino seja realista, pois retrata com fidelidade uma época, também é bastante representativo: as cores mais usadas são o azul e os toques de vermelho (presentes na bandeira nacionalista, como observou a Jô), o verde e o marrom. O uso das cores neutras pela ‘Sra. Mak’, a personagem que a estudante Wang assume, também representa o passar despercebida, poder se infiltrar sem chamar muito a atenção. Usando a mesma cor de suas “companheiras” poderosas, ela incorpora-se ao ambiente.

 

lust caution 14 lust caution 06

A bandeira nacionalista e as cores harmônicas e suaves (olhe as carteiras!!) das mulheres finas

 

Elementos da moda ocidental também estão presentes, inclusive de marcas reconhecidas como a mala Louis Vuitton e o anel Cartier, além dos casacos estilo New Look de Dior. O anel é carregado de simbolismo: ela ganha o anel do amante e, quando percebe que aquele anel significa que seu trabalho está completo e que ele será morto, arrepende-se do que fez e dá a ele a chance de escapar. O anel coroa a vitória do fingir sobre o ser e ela aparenta estar desiludida com aquele teatro tão triste e não quer contribuir para a execução violenta do ‘traidor’. Ela própria, então, assume a identidade dele e trai o seu grupo.

 

lust caution 07

 

E por falar em teatro, uma das cenas mais bonitas é a cena dentro da casa de chá japonesa. O encontro acontece numa sala vazia, apenas dois chineses entre os japoneses. Ele reclama que a música japonesa é triste como um choro e ela se propõe a cantar. Ela canta com muito sentimento uma música de amor tipicamente chinesa, acompanhada de todo o gestual tradicional. A música fala de um amor jovem, da natureza e resgata os sentimentos mais puros. Ele se emociona e, por um momento, são apenas um homem e uma mulher, apaixonados, isolados, vulneráveis.

 

 

A letra da música é essa:

Desde os confins da terra
Até o mar mais longínquo
Eu procuro e procuro por meu companheiro de coração
Uma jovem mulher canta
E é acompanhada por ele
Seu coração é o meu coração
Seu coração é o meu coração

Olhando para o norte do alto da montanha
Minhas lágrimas caem e molham minha roupa
Sinto a falta dele, não consigo dormir
Apenas o amor que sobrevive aos tempos difíceis é verdadeiro
Apenas o amor que sobrevive aos tempos difíceis é verdadeiro

Quem nessa vida valoriza a primavera da juventude?
Uma jovem e seu companheiro são como linha e agulha
Oh, meu lindo companheiro
Somos como linha e agulha, nunca podemos nos separar
Somos como linha e agulha, nunca podemos nos separar

 

 

A Jô observou que o desejo também veste os corpos nus tão frequentemente que a forma física pode até ser encarada como uma peça de figurino ou de cenário. Também o corpo tem uma forma adequada à roupa que o cobre. O Qi Pao, o vestido chinês com golinha alta e abotoamento lateral, aparece como uma reminiscência tradicionalista, não necessariamente positiva, mas necessária ao disfarce. Ele evidencia o corpo, que adquire sensualidade, mas também o aprisiona. No costureiro, quando Wang experimenta um novo vestido, diz que está tão apertado que mal consegue respirar. O que está apertado é o vestido ou a representação sufocante? O Sr. Yee, observando, pede que ela não o tire, mesmo sabendo de seu desconforto. Ele parece só se sentir atraído pela dor alheia.

 

Wang adora cinema e o diretor utiliza a metalinguagem na narrativa, conversando com outros filmes, ligados ao tema da espionagem, risco e suspense, ou simplesmente ao amor, e todos com Cary Grant (AMO!!). A fotografia noir dos filmes de Hitchcock aparece em dois momentos. Em Suspeita (1941), o jogo de luz e sombra reproduz visualmente a dúvida na mente da personagem de Joan Fontaine, que acredita estar sendo envenenada pelo marido, interpretado por Cary Grant. Isso pode ser percebido no jogo de cortinas e janelas do filme chinês e na sensação de “pisar em ovos” e calcular gestos.

lust-caution-movie-poster Suspicion_milk 2

O cartaz do filme e Cary Grant com o copo de leite supostamente envenenado: qualquer semelhança não é mera coincidência

 

Outro Hitchcock que aparece é Interlúdio (1946), onde Ingrid Bergman faz o papel de uma espiã que aceita se casar com um homem investigado pelo governo. Cary Grant faz o papel do contato, o agente que a recruta e passa instruções. A personagem de Ingrid é apaixonada por Cary (o que no filme chinês também acontece, já que a estudante Wang é apaixonada pelo jovem ator que a recrutou) mas tem que ser a esposa daquele homem para cumprir os planos do governo. Ela é descoberta mas só fica sabendo que está em perigo quando está prestes a morrer envenenada. É um filme cheio de claro/escuro, dúvidas, meias palavras, enfim, Hitchcock.

notoriuos

Ingrid e a xícara de café envenenado

 

notorious3 lust caution 01 

notorious1 lust caution 02

 notorious2 lust-caution-movie-poster 2

 

O terceiro filme é Penny Serenade (1941), um filme emocionante que nada tem a ver com espionagem. É a história de um jornalista, ingênuo e sonhador (Cary), que se casa e vai morar no Japão, investindo numa ideia que acaba dando errado. Pra ficar ainda pior, o casal passando por um terromoto e a esposa perde um bebê e fica impossibilitada de ter filhos. Voltando aos EUA, ele vai abrindo e fechando negócios, com a vitalidade e inexperiência de um menino, a maioria deles sem sua esposa saber. Sua esposa (Irene Dunne) não aguenta mais viver com alguém tão inconsequente. Eles se separam, conversam, choram. É uma vida simples, de amor e brigas, de paciência e convívio. Uma história de amor não tão certinha como se gostaria, mas, ainda sim, amor. Penny é a moeda de 1 centavo e representa a dificuldade financeira do casal. Serenade é serenata. Ou seja: dá pra fazer uma serenata com apenas 1 centavo e sobreviver, romanticamente, às dificuldades. Todos os momentos do casal tem uma música tema e eles tem uma música que representa o amor que sentem um pelo outro: “You were meant for me”, toca até hoje na voz de Bing Crosby. Lindo demais… Um dos meus filmes favoritos de todos os tempos. Esse filme e essa música conversam muito com a canção da casa de chá.

 

Penny_Serenade

 

penny serenade

Repare no figurino dela e nos ternos dele. O figurino da Sra Mak e do Sr Yee também foram influenciados pelos astros e divas de Hollywood  desse período.

 

 

 

Mais algumas imagens externas: repare nos casacos, nas carteiras e nos chapéus. As imagens do filme foram retiradas do site oficial e do IMDB. Poderia falar páginas e mais páginas sobre este filme! Aspectos culturais, de língua, de história, de música, de fotografia… Pra ver e rever sempre. Assista. De novo, se for possível. E pra quem quer ler teoria, procure o Simulacros e Simulação (1981), texto de Jean Baudrillard, sociólogo e filósofo francês. Baudrillard entende nossa condição como a de uma ordem social na qual os simulacros e os sinais estão, de forma crescente, constituindo o mundo contemporâneo, de tal forma que qualquer distinção entre “real” e “irreal” torna-se impossível. Apropriado, não? Mais sobre Baudrillard aqui e aqui.

 

   lust-caution-se-jie-0  lust caution 09  lust caution 10   

 

 Veja aqui o nome e o currículo de todos os participantes do debate.

 

UPDATE!!

Artigo da prof. Jô Souza

Fotos do evento

 

 

Semana quem vem, A Duquesa!

 

SaladaCultural_com_br-a-duquesa-cartaz

o crédito da imagem está sobre a figura

 

Camadas

O outono é tempo de camadas. Explico: no começo do dia está friozinho, no meio esquenta muito e parece verão, à tardezinha bate um ventinho de novo… Pra não ficarmos com o “look cebola”, montei um passo a passo de sobreposições, o famoso layering, pra inspirar os dias de outono.

 .

img_6774

Primeira sobreposição simples: duas regatas, a de baixo de malha preta, mais justinha, a de cima mais solta. Legging é bom no frio ou no calor e sandálias meio fechadas meio abertas, pra encarar as duas temperaturas.

 .

img_6777

Segunda sobreposição: uma peça pequena de tricô, que cubra os ombros mas não exagere. Um bolerinho ou mini-poncho é perfeito. Também serve pra acrescentar um toque de cor.

 .

img_6780

Agora esfriou de vez: casaco pra fechar por cima. O bolerinho de tricô vira cachecolzão. Escolha um blazer com modelagem anos 80, ombros mais largos e corte mais masculino. Se quiser um visual menos “agressivo”, coloque um cardigan compridinho. Mas nesse caso, a sandália e o legging pedem um pouco mais de atitude, daí o blazer.

 .

img_6785

Se quiser aproveitar a onda étnica, use um xale ou pashimina com motivos de arabescos ou indianos. É feminino e diferente.

 

Ah, outro dado importante: eu não estou usando acessórios, mas em cada caso é legal pensar num acessório marcante: só com a primeira sobreposição, usaria um colarzão. Com o bolerinho de tricô e com o blazer, um anel enorme numa das mãos. Com a pashimina, usaria um brinco e/ou o anel. Experimente em frente ao espelho… 😉

 

 

Chica Chica Bum Chic!

Carmen Miranda faria 100 anos esta semana, precisamente no dia 9 de fevereiro.

 

 

Não vou ficar falando da história dela e de como ela foi importante para passar um pouco da cultura brasileira para o mundo. Isso qualquer um acha no Google. Vou falar de como eu gosto de Carmen Miranda.

 

carmen-miranda

 

Primeiro, acho que ela tem um carisma enorme, um sorriso maravilhoso e um olhar vivo e brilhante, que nem uma película de filme em preto e branco conseguiram esconder. Imagine na década de 40, uma mulher sai do Brasil para prosseguir a vida como artista nos Estados Unidos, pois já era uma intérprete de sucesso por aqui. Seu grande hit veio na década de 30, cantando “O que é que a baiana tem?”, de Dorival Caymmi. Se é complicado agora, imagine só naquela época! Mas ela foi. E tornou-se a artista estrangeira mais bem paga do cinema.

Além disso, acho o máximo o que ela fez com o figurino. Ela sabia que o personagem não está completo sem o figurino adequado. Por isso, desenhava e costurava as próprias roupas, os adereços de cabelo e o monte de balangandãs (é assim que se escreve?). E para compensar a baixa altura, 1,53m, inventou as plataformas gigantescas. Figurinos riquíssimos, cheios de bordados e caprichos, que ela guardava com carinho e que hoje moram no Museu Carmen Miranda, no Rio de Janeiro.

 

carmen-miranda-21

 

Sua irmã, Aurora, dizia que, se não tivesse sido cantora e artista, teria sido estilista. Ela adorava pesquisar tecidos, inventar modelagens, experimentar.  Parecia ligada no 220V, gesticulava muito e falava alto. Seus olhos verdes pareciam duas esmeraldas e irridiavam um brilho difícil de imaginar apagado.

Mesmo assim, apagou-se. Cedo demais. No documentário produzido pela irmã, “Banana is my business”, podemos ver um pouco da tristeza dessa portuguesinha brasileira que ria tanto. Na biografia de Ruy Castro, “Carmen”, também.

Desde pequena, ouvia as músicas de Carmen Miranda, especialmente “Taí” e “Alô, Alô”, que sei de cor. Aquela vozinha aguda e simpática nunca mais me deixou. E acho que ela também não deixa mais o imaginário cultural brasileiro.

Ainda bem.

 

carmen-miranda-3

 

 Clique para ouvir Taí e Adeus Batucada

 

Brechó Varal do Beco – Reflexões

 

Em novembro do ano passado, a Revista Cláudia publicou um especial de roupas de festa por até R$380. E só deu Varal do Beco!

Confira as fotos:

 

brecho-claudia-08

 

brecho-claudia-07

 

brecho-claudia-06

 

brecho-claudia-05

 

brecho-claudia-04

 

brecho-claudia-031

 

brecho-claudia-02

 

brecho-claudia-01

 

Vendo essas fotos, podemos tirar algumas conclusões sobre roupa de brechó:

  • A não ser que você esteja indo para uma festa temática, não se vista inteiramente com peças de época. Misture elementos bem contemporâneos com as peças antigas. Reparou na primeira foto? A blusa de renda do brechó foi usada com uma calça saruel.
  • Cuide do cabelo e da maquiagem. Arrume-se, faça um penteado e uma maquiagem caprichada. Senão, vai ficar com uma cara triste e isso vai passar para a roupa, que como num passe de mágica (muito do mal) acaba parecendo “velha” em vez de “antiga” ou “de época”.
  • Não tenha medo. Mesmo peças bem datadas (como o vestido de seda anos 70 de mangas bufantes aí em cima) podem fazer milagres por você numa produção bem feitinha. Quando é o caso de uma peça inteira, como um vestido, capriche nos acessórios: sapatos e bolsas impecáveis.
  • Não se engane: fazer uma boa combinação com peças vintage exige tempo e paciência. Se você não está a fim, não force. É preciso gostar de garimpar para entrar nesse mundo maravilhoso dos brechós!

 

Brechó Varal do Beco

Nesse sábado, eu, Lily e Lou fizemos um passeio bem legal: fomos conhecer os brechós da Vila Madalena.

Quer dizer, a intenção era conhecer vários brechós mas acabamos ficando num único endereço: o Brechó Varal do Beco.

E não é pra menos. O brechó é enorme, tem milhares de peças, super organizado e limpo. Nossa impressão foi das melhores. Logo que entramos, já soubemos que seria uma boa garimpagem.

 

img_5956
Mensagem no provador... Esse lugar é pra entrar e descobrir aos pouquinhos...

 

“Realmente é uma voltinha ao passado com muita surpresa e diversão,e acima de tudo memória e originalidade. Entre nossas araras você volta no tempo e automaticamente já entra no clima da sua festa de Época ao tocar em uma roupa antiga e perceber pela textura,estamparia e modelo que se trata de um tecido que deixou de ser fabricado; com modelos estruturados ,muitos dos quais de alfaiataria e de grifes passadas que já não mais existem (nutrisport, poolsport, daruma, sela, karibé, captólio, lumiéri e ustop e etc),com cores e estampas impactantes e surpreendentes”, diz o site do brechó, aliás, site super organizado que vale uma visita atenta.

E o site continua: “Um brechó com um apurado gosto vintage, onde o forte são as araras, com relíquias, que se renovam constantemente. Nosso vício é a necessidade e o prazer de garimpar peças raras diariamente. Sempre buscando novas fontes, não apenas em São Paulo, mas em todo o brasil e exterior. Com estes frequentes achados nosso acervo cresce dia após dia. E além de locarmos, também vendemos. E o preço é uma bagatelinha….. Um brechó de bom gosto; fácil para localizar as peças,todas organizadas por categoria e estilo, higienizadas, onde o cliente, se quiser, pode até sair vestido, pois a roupa estará sem defeito,limpa e liiiiiinda!!!!”.

É tudo verdade! O brechó Varal do Beco é especializado em peças dos anos 50, 60 e 70 e tem mais de 1000 peças em seu acervo. Veja o que separamos de mais bonito:

 

Renata veste:

 

img_5935

Coletinho de renda e babados (duas tendências fortes!) – R$21

 

 

img_5939

Batinha de veludo – R$38 (VENDIDA)

 

img_5942

Vestido tubinho com estampa imitando tingimento – R$44 (VENDIDO)

 

img_5946

Babados e Bolinhas – R$64 (somente para aluguel)

 

 

Lily veste:

.

img_5950

Vestido de chiffon – R$68 (VENDIDO)

Cinto – R$21

Bolsinha – R$68

 

img_5953 img_5955 

Vestido tubinho – R$69 (VENDIDO)

No detalhe, bolsinha rígida, original dos anos 80 – R$32

 

 

Lou veste:

 

 img_5951

Faixa com rosas de tecido para a cintura – R$8 (somente aluguel)

 

img_5957

Mistura de estampas!

Blusa de tricô – R$22

Saia de tafetá – R$36

 

Só posso dizer que, se brechó é bom, brechó com as amigas é melhor ainda! Fora todas essas roupas lindas, ainda contamos com a ajuda e a simpatia total da Sandra, que nos ajudou a escolher acessórios, deu palpites e sugestões muito bem vindas e aceitas e teve a maior paciência do mundo nas 3 horas que ficamos ali! Sandra, você é um amor!

 

img_5959

Sandra, com seu jeitinho calmo e sorridente!

 

Outros achados surpreendentes:

 

img_5967

Vestido de babados – R$68

 

img_5976 img_5977 img_5978

Vestido tipo chemisier da Zara – R$68

 

img_5968 img_5969

Vestido de jersey, com busto forrado e detalhe de trancinhas – R$98

 

img_5981

Vestido xadrez com babados no decote – R$44

 

img_5979 img_5980

Saia com estampa de lacinhos – R$38

 

img_5970

Carteira de mão marrom – R$23

 

img_5971

Carteira de mão vermelha – R$26

 

img_5972

Carteira de mão preta – R$24

 

img_5973

Carteira de mão azul-marinho – R$22

 

 

Apareçam por lá:

O Brechó Varal do Beco fica na rua Cardeal Arcoverde,1771.
Entre as ruas Mourato Coelho e Fradique Coutinho.
Com estacionamento conveniado na Rua Cardeal Arcoverde, 1745.

Qualquer dúvida:  Tel: (11) 3032-5074 / 8294-6802

E olhem a Vitrine Virtual que eles também entregam na sua casa!

 

Para mais fotinhas e making of, dá uma olhada no Flickr.

 

 

Lavou, Tá Novo

O maravilhoso mundo dos brechós

“Sempre fui muito vaidosa, desde mocinha, e foi uma forma fácil de conseguir tudo o que eu queria por um preço bom”. É com essa simplicidade que a adorável Magaly Camargo explica a origem do seu brechó Passado Presente que, aos 30 anos de idade, é um dos mais antigos da cidade de São Paulo.

A julgar pela quantidade de peças amontoadas nas araras e prateleiras da loja, dá para ver que dona Magaly leva a sério essa história de ter “tudo o que eu queria”. Casacos, corseletes, chapéus, bolsas, bijuterias, jogos de chá, castanholas, quadros antigos: no Passado Presente há de tudo um pouco (de tudo um muito, na verdade; é tanta coisa que fica difícil decidir para onde olhar primeiro).

 

No começo você pode ficar confuso, mas mesmo quem nunca foi a um brechó pode se divertir e encontrar peças bacanas. Vide o caso de Márcia Keller, marinheira de primeira viagem com quem topamos no dia da reportagem. “É a primeira vez que venho a um brechó; tem muita coisa linda aqui”, ela comentou, enquanto experimentava uma boina da década de 1930.

Hoje em dia, não é difícil encontrar brechós modernosos, “de luxo”, que só vendem roupas e acessórios de grifes famosas e de coleções recentes. O Passado Presente da dona Magaly faz parte do grupo de brechós tradicionais, que têm de tudo e trabalham com peças vintage (originais das décadas de 1930, 40, 50 e 60). Seja qual for o seu estilo – e orçamento -, confira as dicas para aproveitar ao máximo o maravilhoso mundo dos brechós:

 

– O legal desses lugares é ver, remexer, vasculhar; deixe para ir quando você estiver com tempo livre

– Antes de comprar, experimente a peça e confira se ela está em bom estado. Brechós geralmente não aceitam devolução
– Está difícil encontrar roupas legais? Invista nos acessórios! Óculos escuros, chapéus, boinas, gravatas e bijuterias vintage chamam a atenção e garantem um look bacana que não custa os olhos da cara
– O esquema é “gostou-comprou”. Cada peça é única, e se você deixar para comprar uma outra vez, ela pode não estar mais lá

 

SERVIÇO

Passado Presente
Rua Augusta, 2690, lojas 17 e 21
(11) 3081-6253

Quer mais opções de brechós em São Paulo? Confira o guia e boas compras!

Minha Avó Tinha
Especialidade:
Roupas vintage, até os anos 80
Aluguel ou venda: Os dois
Acervo: Mais de 10 mil peças
Preço: Varia muito
Provador: Sim
Endereço: Rua Dr. Franco da Rocha, 74. (11) 3865-1759. Seg. das 12h às 19h30; ter. a sex. das 10h às 19h30; sáb. das 10h às 17h. Filial na Rua Itapicuru, 766

Spazio 1717
Especialidade:
Roupas de época, da década de 10 à de 80
Aluguel ou venda: Grande parte do acervo é só para locação, mas também trabalha com vendas
Acervo: “Definitivamente mais de 3 mil peças”
Preço: Locação de R$ 36 a R$ 150; venda a partir de R$ 90
Provador: Sim
Endereço: Rua Rodésia, 76, Vila Madalena, São Paulo. (11) 3815-8480. De seg. a sáb., das 10h às 19h

Juisi by Licquor
Especialidade:
Roupas vintage – até os anos 90
Aluguel ou venda: Os dois
Acervo: Cerca de 2,5 mil peças
Preço: De R$ 10 (acessórios) a R$ 2,5 mil
Provador: Sim
Endereço: Al. Tietê, 43, loja 08. (11) 3063-5766, São Paulo. Seg. a sáb. das 11h às 19h.

Capricho à toa
Especialidade:
Roupas e acessórios de grifes de luxo, nacionais e internacionais, tudo de coleções recentes. Também tem cama, mesa e banho e eletrônicos
Aluguel ou venda: Só venda
Acervo: Cerca de 55 mil
Preço: A partir de R$ 6 (uma bermuda)
Provador: Sim
Endereço: Rua Heitor Penteado, 1.096, casa 8. (11) 2137-5926. De seg. a sáb. das 9h30 às 18h30

Vó Judith
Especialidade:
Moda feminina
Aluguel ou venda: Só venda
Acervo: Não soube estimar
Preço: A partir de R$ 10
Provador: Sim
Endereço: Rua do Carmo, 122. (11) 3105-4753. De seg. a sex., das 9h às 18h30

Camarim
Especialidade:
De tudo um pouco roupas, sapatos, acessórios, cama, mesa e banho
Aluguel ou venda: Os dois
Acervo: Não soube estimar
Preço: Varia muito
Provador: Sim
Endereço: Rua Antonio de Macedo Soares, 1.554. (11) 5543-5304. De seg. a sexta das 10h às 20h; sáb. das 9h às 19h
(Vânia)

Trash Chic
Especialidade:
Roupas e acessórios de grifes internacionais de luxo (Armani, Balenciaga, Chanel, Dior, etc)
Aluguel ou venda: Só venda
Acervo: Cerca de 1,5 mil peças
Preço: De R$ 49 a R$ 2,5 mil
Provador: Sim
Endereço: Rua Capitão Prudente, 223. (11) 3815-3202. De seg. a sex. das 10h às 18h; sáb. das 10h às 15h
(Paloma – gerente)

Re Portela Depot
Especialidade:
Roupas e acessórios de grifes internacionais de luxo (Chanel, Dior, Valentino, etc). Destaque para as bolsas de coleções recentes
Aluguel ou venda: Só venda
Acervo: Cerca de 800 peças
Preço: De R$ 60 a R$ 3100
Provador: Sim
Endereço: Rua Oscar Freire, 686, cj 06. (11) 3081-5083. De seg. a sex. das 10h às 18h; sáb. das 11h às 17h
(Renata Portela – dona)

Degriffée
Especialidade:
Roupas e acessórios de grifes de luxo, nacionais e internacionais, tudo de coleções recentes
Aluguel ou venda: Só venda
Acervo: Cerca de 3 mil peças
Preço: De R$ 19 (um cinto) a R$ 1000 (bolsa Dolce & Gabbana), mas varia muito
Provador: Sim
Endereço: Av. Ibirapuera, 1.110. (11) 5083-4747. De ter. a sex. das 10h às 19h; Sáb. das10h às 17h

por Sarah Lee, do msn.onne.com.br